Festival Artes Vertentes propõe diálogo entre as artes em Tiradentes

por Redação CONCERTO 12/09/2017

O Festival Artes Vertentes realiza, entre os dias 14 e 24 de setembro, a sua sexta edição, consolidado como um dos principais eventos do calendário da música brasileira. O tema da programação, que além de concertos propõe um diálogo com outros campos, como a literatura, o cinema e as artes plásticas, com leituras de obras, mostras de filmes e exposições, é Crenças. A ideia é propor uma reflexão a respeito do tema em seus diversos aspectos e o espaço que ele ocupa na vida contemporânea.

Símbolo da proposta de diálogo é logo o concerto de abertura, no qual serão interpretadas a Arte da Fuga, de Johann Sebastian Bach, e a Grande Fuga, de Beethoven, em diálogo com leituras da premiada escritora brasileira Maria Valéria Rezende.

A programação reúne artistas importantes. A soprano Eliane Coelho, por exemplo, vai interpretar o monólogo A voz humana, de Poulenc, com acompanhamento ao piano de Gustavo Carvalho, diretor artístico do festival (dia 16). A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, por sua vez, fará concerto com obras barrocas (dia 17), sob regência de Marcos Arakaki.

O festival conta também com um grupo residente, o Quarteto O/Modernt, da Suécia, formado pelos violinistas Daniel Rowland e Hugo Ticciati, o violista Gareth Lubbe e o violoncelista Julian Arp. Ao longo do evento, eles vão interpretar peças como A morte e a donzela, de Schubert, o primeiro quarteto de Béla Bártok, as Danças apolônias, de Albert Schnelzer, Tenebrae, de Osvaldo Golijov, As sete últimas palavras de Cristo na cruz, de Haydn, ou o Quarteto para o fim dos tempos de Olivier Messian, em muitos casos ao lado de outros artistas convidados, como o pianista russo Jacob Kastnelson ou a organista Elisa Freixo.

As apresentações acontecem em espaços como a Igreja São João Evangelista, a Matriz Santo Antônio e a Igreja do Rosário.

[Veja mais no Roteiro Musical]