Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 24 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Cláudio Cruz celebra 20 anos como spalla da Osesp (27/4/2010)
Por Camila Frésca

Foi grande a concorrência para assistir ao programa da Osesp nos dias 22, 23 e 24 deste mês. E foi provavelmente a junção de vários fatores a responsável por isso: o programa trazia uma estreia mundial (o Concerto para violino, de Ronaldo Miranda); uma grande e popular obra do repertório (a "Titã" de Mahler); a volta de Roberto Minczuk, que não subia ao pódio da Osesp desde 2005, quando ainda exercia o posto de regente adjunto; e uma homenagem a Cláudio Cruz, por seus 20 anos como spalla da orquestra.

Cláudio Cruz ingressou no grupo com apenas 23 anos, já para ocupar o posto de spalla, e na entrevista que acompanha o programa de concerto de abril da Osesp ele revela que foi praticamente intimado por Eleazar de Carvalho para assumi-lo, enquanto estudava nos EUA com Kenneth Goldsmith. "Quando cheguei, houve protesto dos mais velhos, achavam que eu não estava pronto para o cargo", conta. Poucos meses depois, no entanto, tal desconfiança já estava superada. Cláudio trabalhou com Eleazar até o falecimento do maestro em 1996, e passou incólume pela reviravolta iniciada na orquestra com a chegada de John Neschling. Ao contrário, a qualidade artística e seriedade de seu trabalho garantiram-lhe mais prestígio, respeito e visibilidade, à medida que a orquestra também era mais valorizada.

Capa do CD comemorativo recém-lançado pela Osesp, tendo Cláudio Cruz como solista.Paralelamente ao trabalho com a orquestra, Cláudio Cruz desenvolveu carreira como solista e camerista, com destaque para seus trabalhos como diretor musical da Orquestra de Câmara Villa-Lobos, com a qual gravou três CDs, e como primeiro violino do Quarteto Amazônia, registrando obras de Villa-Lobos, Lorenzo Fernandez e Alexandre Levy, entre outros brasileiros, bem como tangos de Piazzolla, num disco que rendeu ao grupo o Grammy Latino em 2002. Sua discografia é bastante extensa e há ainda importantes incursões como solista no Brasil e no exterior, mas talvez seja seu perfil um tanto austero que faça com que essas realizações não sejam tão divulgadas.

Na última década, o brilhante trabalho como instrumentista tem sido compartilhado com o de maestro. Cláudio conta, na mesma entrevista, que a regência tem sido sua principal ocupação nos últimos 12 anos. "Até passei a tocar menos como solista, pois para concertos grandes, como o de Tchaikovsky, são três meses da vida em que o violino vira um sacerdócio. Quatro, cinco horas por dia de estudo, acordar de madrugada..." Hoje ele é regente titular da Sinfônica de Ribeirão Preto, além de se apresentar como maestro convidado por todo o Brasil, incluindo a própria Osesp. "É muito gostoso, depois de estudar quatro horas de violino, pegar a Quarta de Mahler e imaginar como montar esta grande obra. A regência é um grande prazer."

Embora o prazer da regência ocupe cada vez mais o tempo e a carreira de Cláudio, felizmente ele não abandonou o violino, e o programa comemorativo mostrou que o instrumentista continua em ótima forma. O Concerto de Ronaldo Miranda, encomendado pela Osesp e dedicado ao violinista, foi interpretado com enorme beleza, fluidez e naturalidade, como se fosse uma obra antiga com a qual ele tivesse grande intimidade. A homenagem a Cláudio incluiu, além de sua performance como solista de uma estreia mundial, o lançamento de um CD (o primeiro pelo recém-criado Selo Osesp) em que ele também sola, dessa vez em obras consagradas para o instrumento: os concertos para violino de Tchaikovsky e Bruckner. A boa notícia é que este disco está sendo distribuído livremente para download no site da própria Osesp (em www.osesp.art.br/podcast/), incluindo capa e encarte, que traz a integral da entrevista aqui utilizada.

Vale ainda reproduzir, para terminar este texto, algumas palavras de Cláudio Cruz sobre si mesmo: "Sou filho de um luthier, não fui agraciado com bolsas de estudos, casei cedo, tive três filhos; não tive uma vida muito fácil, mas nunca deixei de estudar, não abandonei o sonho. Tocava em tudo quanto é orquestra e restaurante, até as três horas da manhã, juntava dinheiro e ia para os EUA estudar. Mesmo depois de estabilizado profissionalmente como violinista, ainda fui atrás de aprender a reger. Agora, estou louco para gravar isso, gravar aquilo, tenho muitos concertos para fazer. Então, acho que sou uma pessoa determinada. Essa força que recebo é o traço mais importante da minha personalidade".





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046