Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sábado, 29 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Outros relacionamentos geniais (II) (30/5/2011)
Por Camila Frésca

Tratei de como Mário de Andrade procurava influenciar compositores seus contemporâneos, como Villa-Lobos e Camargo Guarnieri, na intenção de que estes realizassem na prática os pressupostos de seu projeto de formação de uma música brasileira.

Se Camargo Guarnieri foi o mais fiel seguidor de Mário e tinha verdadeira adoração por ele – o que fazia com que a afinidade entre os dois se aproximasse com a de um pai e filho, com Francisco Mignone (1897-1986), dez anos mais velho que Guarnieri, a relação era um pouco mais complexa. Mário e Mignone tinham quase a mesma idade, e foram companheiros de classe no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Além disso, Mignone permaneceu estudando na Europa de 1920 a 29. Quando retornou, já com 32 anos, retomou a amizade com Mário, mas já era um homem feito. Ainda assim, foi alvo de intenso assédio musical de Mário, que o queria militante nacionalista.


Francisco Mignone [Foto: divulgação]

Num texto de 1939, publicado no jornal "O Estado de S. Paulo", Mário fala sobre Mignone: “Muitos compositores americanos, principalmente brasileiros, têm passado por mim, e de todas as casas. Cabotinos deslavados, ingênuos quase analfabetos, técnicos honestos mas cheios de falhas, gênios geniosos admiráveis [...] Jamais encontrei entre eles quem demonstrasse, como Francisco Mignone, um conhecimento mais íntimo, mais profundo e mais vasto da música”. Falando sobre sua fase de formação, Mário comenta os “perigos” que rondaram Mignone: “percorre ambiciosamente todas as Europas musicais, adquire técnica, mas divaga tanto em sua funcionalidade que quase se naturaliza franco-espanhol com a Suíte asturiana. Mas tudo tem valor de relação nos artistas verdadeiros; e as suas tentativas italianizantes de ópera, a sua atração permanente por Debussy e Ravel, a sua noite nos jardins de Espanha traziam o paulista de novo para o Brasil com uma forte riqueza de experiência e a saciedade europeia”.

Na verdade, o artigo trata de uma fase crítica na vida do compositor, de crise composicional, e o texto de Mário é, ao mesmo tempo, uma injeção de ânimo e um conselho, ou ao menos uma sugestão – feita de forma sutil – ao caminho que ele deveria seguir: “Esta situação atual de Francisco Mignone eu não denunciaria se o artista não tivesse aquela importância dos grandes [...] e se principalmente não apresentasse imensas possibilidades futuras. Pelo já realizado, sem a menor fraqueza da camaradagem, considero este brasileiro uma das expressões mais representativas da música americana. [...] Confiou-me recentíssimamente o compositor que pretende iniciar um novo ciclo de obras sinfônicas. Finda a fase negra [‘caracterizada pela utilização do nosso fundo africano’] é provável que se abra agora uma outra menos particularizada no caráter e de muito maior alcance nacional. Quanto ao artista em si mesmo, estou plenamente sossegado. Com a sua musicalidade e os seus conhecimentos técnicos, Francisco Mignone está naquele estágio de recompensa dos que não podem mais criar o ruim”.

Ainda que em geral Mignone se mostrasse favorável ao esforço do amigo, alguns depoimentos, feitos após a morte de Mário, relativizam essa total adesão ao projeto nacionalista. Em 1968, o compositor afirmou: “amparado pela cordial e espontânea amizade de Mário de Andrade, embrenhei-me no cipoal da música nacionalista e, também, pra não ser considerado [...] uma ‘reverendíssima besta’ [...] compus, compelido, Quatro fantasias brasileiras, para piano e orquestra, Maracatú do Chico rei, Festa das igrejas e Sinfonia do trabalho [...] Mas, voltando à minha fase nacionalista, devo declarar que não andava contente com o que produzia. Dediquei-me, para esconder-me de mim mesmo, a acompanhar ao piano, reger orquestras [...] Depois de dobrar o cabo das boas resoluções, aos sessenta e mais anos, entreguei-me a escrever música pela música. Agrado a mim mesmo e é quanto basta. Aceito e emprego todos os processos de composição conhecidos. Transformo-os à minha maneira.”

Seja pela excepcional produção musical, pelos grandes compositores ou pelo embate intelectual, as primeiras décadas do século XX estão entre as mais férteis de nossa história musical. Obras e ideias surgidas naquele momento seriam muitas vezes motivo de acirradas discussões, sendo ora combatidas, ora louvadas ou ainda julgadas superadas. Movimentos surgidos nas décadas seguintes como o Música Viva e o Música Nova (e até mesmo manifestações posteriores) dialogaram diretamente com este período, que ainda precisa ser objeto de estudos mais aprofundados – o que certamente nos ajudará numa melhor compreensão dos caminhos da música brasileira.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

30/4/2017 - II SPHarpFestival

Rio de Janeiro:
29/4/2017 - Roberto de Regina - cravo

Outras Cidades:
29/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Ópera Norma, de Bellini
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046