Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Segunda-Feira, 23 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
O encantador universo de Guerra-Peixe nas mãos de Eliane Tokeshi e Guida Borghoff (20/6/2012)
Por Camila Frésca

Um lançamento recente e que não chamou ainda a devida atenção do público e da crítica especializada foi o CD “Guerra-Peixe: obras para violino e piano”. A violinista Eliane Tokeshi e a pianista Guida Borghoff realizaram um admirável trabalho de pesquisa da obra do compositor, deixando acessível a todos uma parte importante de sua produção.

Um dos grandes músicos brasileiros do século XX, Guerra-Peixe foi um artista de excepcionais dotes musicais e que conhecia como poucos tanto a linguagem da música erudita como a da música popular. De ascendência portuguesa e nascido em Petrópolis em 1914, Guerra-Peixe já tocava violão, violino e piano aos sete anos de idade. Mas o instrumento que estudou seriamente foi o violino. Guerra foi aluno de Paulina D’Ambrosio e formou-se no Instituto Nacional de Música, no Rio de Janeiro, na década de 1930. Sua intimidade com os instrumentos de cordas fica patente na sua escrita para violino. Isso somado a seus estudos de música dodecafônica, suas pesquisas sobre o folclore brasileiro e sua experiência como arranjador e orquestrador dão o tom geral de sua obra, que se notabilizou por duas fases marcantes: uma dodecafônica e outra nacionalista.



César Guerra-Peixe [foto: divulgação]

Guerra já era um músico de sólido métier quando, aos 30 anos de idade, foi procurar Hans Joachim Koellreutter para se aperfeiçoar. Sua obra, que até então era influenciada pela música tradicional e urbana brasileira, segue novos rumos e envereda pela técnica dodecafônica. Entre 1944 e 49 ele escreve quase 50 peças dentro dessa linguagem, embora sempre com certa liberdade e procurando, por vezes, fundir a técnica dos doze sons com a música nacional.

Em 1949, Guerra-Peixe abandona definitivamente o dodecafonismo e abraça o nacionalismo. Segundo ele, a influência definitiva para essa tomada de posição foi a leitura dos textos de Mário de Andrade. Para a pesquisadora Ana Cláudia de Assis, essa mudança de orientação pode ser atribuída à insatisfação do compositor com o valor social de sua música dodecafônica, bem como à convivência com diferentes manifestações musicais nordestinas durante o período em que trabalhou na Rádio Nacional do Comércio de Recife, entre 1949 e 1952. Uma vez, em entrevista a Luiz Paulo Horta, Guerra-Peixe declarou: “depois do dodecafonismo eu fiquei um tempo imbuído de uns conceitos errôneos. Koellreutter dizia: quando uma música agrada, é porque alguma coisa não está no lugar. A música tinha que desagradar. A gente também compunha sem pensar no problema dos instrumentos; eu compus, o diabo que toque. Tenho músicas que não consigo tocar. Hoje penso diferente. A música pode ser difícil, mas tem de ser viável. E a comunicação foi um negócio que sempre me interessou.”

Pois essas duas fases tão distintas de sua produção podem ser conferidas no disco. Música, por exemplo, foi escrita para violino e piano em 1944 e pertence à fase dodecafônica. Já obras como A inúbia do cabocolinho ilustram bem seu envolvimento com a cultura popular brasileira. Guerra foi um pesquisador entusiasmado que saiu por diversas partes do país ouvindo e registrando melodias e ritmos. Para Luiz Paulo Horta, ele foi o nosso Bartók, o compositor que se debruçou seriamente sobre nossas tradições e a partir delas buscou estabelecer uma música de características nacionais. Originalmente escrita para orquestra, A inúbia foi transcrita para violino e piano para que o próprio compositor pudesse executá-la em apresentações como instrumentista. Vale ainda mencionar uma das obras mais importantes que Guerra-Peixe deixou para o violino e que igualmente marca presença: a Sonata nº 2. Escrita em 1978 e dividida em três movimentos, ela explora as possibilidades timbrísticas do violino e do piano e novamente traz influência da música nordestina, ainda que de forma mais sutil.

“Guerra-Peixe: obras para violino e piano” é um mergulho numa parte essencial da obra desse compositor (praticamente toda a sua produção dedicada à formação está presente no disco). Tenho certeza de que todos que se dispuserem a ouvi-lo vão se surpreender duplamente: com a qualidade da obra de Guerra-Peixe e com o excelente nível técnico e artístico da interpretação de Eliane Tokeshi e Guida Borghoff. Sem dúvida, uma contribuição enorme para nossa memória musical.

[Clique aqui e confira na Loja CLÁSSICOS mais informações sobre o CD Guerra-Peixe: obras para violino e piano.]





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

29/4/2018 - Orquestra Experimental de Repertório

Rio de Janeiro:
27/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
27/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046