Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 23 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Competições são para cavalos, não para artistas... (15/7/2013)
Por João Marcos Coelho

O pianista Boris Giltburg, de 29 anos, conquistou o primeiro lugar, medalha de ouro, no Concurso Rainha Elisabeth da Bélgica em junho passado. Mais um prodígio russo-israelense num mercado já saturado de jovens prodígios, em geral oriundos da Rússia ou da Ásia. Nascido em Moscou, viveu com a família em Israel desde os 6 anos. Estudou na Academia de Música Buchmann-Mehta, em Telavive. Tem mais de 80 concertos já agendados para esta temporada, após o feito.

Mas Boris teria ficado nas notinhas de rodapé se sua reação logo após a vitória fosse convencional. Em vez disso, ganhou destaque na mídia internacional justamente porque renegou uma fórmula hoje muito desgastada. Meio século atrás com certeza lhe concederia o passaporte para a fama; atualmente, sequer os regulamentares 15 minutos efêmeros de fama lhe são atribuídos. Como disse, seu nome ficaria restrito às notinhas das agências noticiosas e na imprensa internacional. No máximo, mencionariam um fato inusitado: nas semifinais, ele teve um branco no meio de uma execução de uma peça de Mozart; parou e retomou em seguida. Ainda assim, motivo só para uma notinha.


Boris Giltburg [foto: divulgação]

Mas o cara deu uma de Rambo: sacou uma metralhadora giratória e mandou "balas" em profusão. Disse que concorda inteiramente com o compositor e pianista húngaro Bela Bartók, autor da frase “competições são para cavalos, e não para artistas”.  De fato, os 12 finalistas ficaram confinados por uma semana num local inteiramente vedado ao mundo exterior, estudando como loucos. Boris oscilou entre a raiva e o desespero naqueles dias (“foi uma das semanas mais difíceis da minha vida”). Conquistado o primeiro lugar, o desespero passou, mas a raiva da tortura anterior só fez aumentar.  “Estou p... com o mundo por não haver outra fórmula de se descobrir talentos além dos concursos”. Jura que jamais participará de qualquer júri de concurso no futuro.

Antigamente, eles eram vistos como mal necessário. O pianista canadense Glenn Gould, por exemplo, considerava que os coitados que se submetem a essa tortura voluntariamente estão, na verdade, submetendo-se a “uma lobotomia espiritual”.

Cá entre nós, quantos músicos venceram grandes concursos e depois não fizeram a fulgurante carreira que seus júris prognosticavam? A única grande exceção é Van Cliburn – e, se teve méritos artísticos, de um lado, de outro foi “usado e abusado” pelos EUA como peça de propaganda. Outro que vocês lembram, claro, é o episódio rumoroso do Concurso Chopin em que Martha Argerich retirou-se do júri porque não premiaram Ivo Pogorelich (aliás, vale a pergunta de Wally: onde anda Pogorelich?).

A razão é simples. Em geral, escolhem-se grandes músicos veteranos para este tipo de júri. E eles são, na grande maioria, conservadores. Ou seja, premiam justamente o convencional, o “déja vu”, como diria um pernóstico francês. Não estão em busca do diferente, do músico que tem DNA próprio. Este tipo de engrenagem estimula apenas as clonagens – reproduzem-se às dezenas, centenas, milhares músicos que são só cópias de seus ídolos (de preferência, os ídolos membros do júri, lógico).

Esta é a iniquidade inata dos concursos. O sujeito tem ideias próprias quando toca piano, violino ou violoncelo, mas é obrigado a se anular para agradar ao especialista de plantão.

Mas todo esse papo já era. Hoje em dia, os músicos jovens utilizam as ferramentas da web para se expor e mostrar seus trabalhos. Se tiverem mesmo talento, sem dúvida alguém os assistirá e conduzirá a uma carreira profissional. É uma democratização arriscada, sei. No entanto, é bem mais democrático do que depender do julgamento de um bando de músicos veteranos emedalhados com cabeça-século 19.

Você, que é um jovem músico, com certeza já sabe que hoje há uma série de ferramentas poderosas para alavancar o seu talento. Sei que muitos já utilizam isso. Mas, para quem não está atento à mudança de padrão, vale o alerta. Faça seus vídeos, coloque no youtube; construa uma mailing list na web; poste áudios de suas performances e os envie regularmente para sua lista; mantenha seu público-alvo informado sobre suas atividades e sobretudo suas performances no twitter.

Liberte-se de instituições e fórmulas meio rançosas. Concordo inteiramente com Bartók: competições, concursos e assemelhados são para cavalos, não para artistas.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

25/4/2018 - Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

Rio de Janeiro:
28/4/2018 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
27/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046