Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Passado, presente e futuro na ópera brasileira (13/6/2014)
Por João Luiz Sampaio

A última semana de maio trouxe duas boas notícias para a ópera brasileira. Na temporada anunciada para o ano que vem do Theatro Municipal, foi incluída uma nova produção de Um homem só, de Camargo Guarnieri; e, no Festival Amazonas, em Manaus, subiu ao palco Onheama, ópera de João Guilherme Ripper encomendada especificamente pela décima oitava edição do evento.

Um homem só foi estreada no início dos anos 1960 no Theatro Municipal do Rio e logo esquecida. O libreto é do ator e dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri e foi definido por Marion Verhaalen, em sua biografia do compositor, como um “tenso estudo psicológico sobre um homem solitário em luta com seu mundo”. É uma das obras menos conhecidas de Guarnieri e, na temática, segue em caminho totalmente diferente daquele proposto em Pedro Malasarte, que, com libreto de Mário de Andrade, é um dos símbolos do movimento nacionalista.

Onheama, por sua vez, parte de um poema do amazonense Max Carphentier para revisitar a mitologia indígena. A estrutura da obra confirma a carpintaria teatral de Ripper, também autor do libreto, e sua capacidade de, com texto e música, estabelecer um eficiente arco narrativo. Especialmente significativo me pareceu o fato de que a produção envolveu artistas – instrumentistas e cantores – em sua maioria formados em Manaus, o que é testemunho dos frutos dados pelo evento nos últimos anos, como bem colocou Nelson Kunze em sua crítica publicada também aqui no Site CONCERTO.


Camargo Guarnieri e João Guilherme Ripper: dois momentos da ópera brasileira [fotos: divulgação]

Mas o que pode haver em comum entre uma ópera sobre o ambiente urbano dos anos 1960 e outra criada em torno da mitologia amazônica? Entre as obras em si, pouca coisa. Mas, em um momento em que a ópera brasileira passa por transformações – a implementação de um novo projeto no Municipal, a vinda de Luiz Fernando Malheiro para o Theatro São Pedro e, de modo mais amplo, o reconhecimento da necessidade da profissionalização da produção e de novas formas de contato com o público – elas tocam, ainda que involuntariamente, em alguns temas importantes. O mais importante deles: a necessidade de se investir não apenas na produção mas também na criação.

Não é exagero dizer que a história da ópera no Brasil é, acima de tudo, a história da reinterpretação do repertório tradicional. Ela, claro, é desejável e atesta a permanência de alguns títulos e compositores. Mas o descaso com a criação contemporânea e com o que foi feito no gênero ao longo do último século no Brasil faz com que a ópera se distancie da vida contemporânea. Afinal, uma obra do passado pode iluminar o presente – mas o vai fazer de acordo com limites formais propostos por valores, padrões e referências estéticas de uma época que não é a nossa. E, no momento em que abrimos mão da experimentação da forma – e o modo como ela se articula com novos significados, questões e propostas artísticas de nosso tempo –, equiparamos a ida ao teatro de ópera a uma visita a um museu.

No caso brasileiro, em que memória rima com esquecimento, é desejável que o nascimento de novas obras esteja associado à redescoberta de títulos de autores como Alberto Nepomuceno, Assis Pacheco, Leopoldo Miguez, Francisco Mignone ou Henrique Oswald, ainda à espera de resgate. Afinal, não custa lembrar uma das lições primordiais do processo histórico: conhecer o passado pode ajudar na compreensão do presente – e na construção de um futuro.

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página





João Luiz Sampaio - é editor executivo da Revista CONCERTO e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046