Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 25 de Junho de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Villa-Lobos, Glauco Velásquez e Alberto Nepomuceno na pauta da música brasileira (3/7/2014)
Por Camila Frésca

Recentemente, a Osesp apresentou um ótimo programa todo dedicado a Villa-Lobos: além do Prelúdio das Bachianas brasileiras nº 4, o público pôde ouvir o balé Uirapuru e as bem menos executadas Fantasia para violoncelo e o bailado (espécie de cantata profana) Mandu-Çarará. Foi uma grande felicidade assistir ao concerto por ver a orquestra interpretar tão bem composições de Villa-Lobos que são pouco conhecidas do público, ampliando o espectro de peças desse gênio brasileiro que frequentam nossas salas de concerto. A Osesp, aliás, tem encabeçado um importante movimento de novas gravações da obra de Villa-Lobos. Além de ter registrado a integral dos Choros e das Bachianas, agora ela se lança ao desafio de gravar todas as sinfonias do compositor. Além dela, outras iniciativas importantes nos anos recentes foram as do Quinteto Villa-Lobos (obras camerísticas para sopros), Quarteto Radamés Gnattali (integral dos quartetos de cordas) e de Fábio Zanon (obra para violão solo).

 
Heitor Villa-Lobos, Glauco Velásquez e Alberto Nepomuceno [fotos: divulgação]

Em junho, lembramos os 100 anos de morte de Glauco Velásquez (1884-1914), compositor que encantou o Rio de Janeiro do início do século XX e cuja morte precoce, aos 30 anos, deixou o meio musical tristíssimo: lamentava-se o desaparecimento de um jovem compositor que não pôde desabrochar plenamente seu imenso potencial. Mesmo após sua morte, tanto seus professores – como Frederico Nascimento e Francisco Braga –, como importantes intérpretes da época – como Paulina d’Ambrosio –, empenharam-se em difundir suas composições. O francês Darius Milhaud foi outro que ficou fortemente impressionado com a produção de Velásquez. Felizmente, não apenas os intérpretes contemporâneos a Glauco se encarregaram de manter viva sua obra: a pianista Clara Sverner foi uma das primeiras a gravá-lo, ainda na década de 1980; recentemente, em 2012, o Aulustrio realizou um trabalho importante, registrando em DVD os quatro trios para violino, violoncelo e piano, mais a edição das partituras em PDF (leia detalhes sobre o projeto aqui). Mais recentemente ainda foi lançado um CD com as duas sonatas para violino e piano de Glauco Velásquez, com a violinista Mariana Salles e o pianista francês François Pinel (selo ABM) – estas mesmas sonatas estão no próximo disco, que sai ainda este ano, da pianista Karin Fernandes e com o violinista Emmanuele Baldini.

Já no próximo dia 6 de julho comemoramos os 150 anos de nascimento de Alberto Nepomuceno (1864-1920). Compositor de sólida formação, sua obra representa um dos pontos altos da passagem do século XIX para o XX. Figura atuante na nascente República brasileira, a vida de Nepomuceno é um exemplo das batalhas e cenários vividos pelos músicos de sua época. Ele costuma ser lembrado pelo pioneirismo do canto em língua portuguesa: em 1895, realizou um concerto que entrou para a história por ter apresentado, pela primeira vez, uma série de canções em português de sua autoria, iniciando uma polêmica com aqueles que afirmavam que nossa língua era inadequada para o bel canto (você pode ler uma matéria sobre o compositor na Revista CONCERTO do último mês de junho). Além de cinco óperas (incluindo a inacabada O garatuja), Alberto Nepomuceno deixou ao menos duas peças importantes para orquestra: a Sinfonia em sol menor e a Série brasileira (que inclui o famoso Batuque). O compositor, no entanto, parece não gozar da mesma sorte dos dois anteriores, já que não existem projetos recentes dedicados a reavivar sua obra (embora haja, é verdade, diversas gravações esparsas de peças de câmara e algumas gravações raras e antigas da Sinfonia). Quem sabe a efeméride não desperte a atenção de alguma de nossas grandes orquestras para futuros projetos?

[Texto atualizado às 11h50 do dia 4/7/2014. Por erro de edição, a imagem mostrava uma foto de Alexandre Levy em vez de Glauco Velásquez. O erro já foi corrigido.]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
Noites memoráveis com Isabelle Faust e Alexander Melnikov Por Camila Frésca (18/5/2017)
Com Faust e Volmer, a Osesp chega à excelência Por Irineu Franco Perpetuo (16/5/2017)
Foi um esplendor, mas... Por Jorge Coli (16/5/2017)
Perdas e danos (Santa Marcelina incorpora Theatro São Pedro) Por Nelson Rubens Kunze (9/5/2017)
Pesquisa do Projeto Guri mostra resultados importantes Por Camila Frésca (3/5/2017)
Diana Damrau, uma artista de mais de 50 tons Por Irineu Franco Perpetuo (2/5/2017)
E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Junho 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 1
 

 
São Paulo:

30/6/2017 - Orquestra de Câmara da ECA/USP - OCAM

Rio de Janeiro:
25/6/2017 - Orquestra Sinfônica Nacional UFF

Outras Cidades:
25/6/2017 - Campinas, SP - Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046