Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 28 de Junho de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Um brinde aos Sísifos brasileiros (29/7/2014)
Por João Marcos Coelho

A meritocracia, critério tão banal hoje no recrutamento e seleção de jovens profissionais em todos os campos de atividade, teima em não chegar ao mundo da música clássica. Os jovens candidatos a engenheiros, administradores e outras qualificações submetem-se a baterias de testes, entrevistas, enfim, um exaustivo e minucioso pacote de avaliação objetiva para conseguir estágios em grandes empresas e abrir as portas para uma carreira profissional bem-sucedida. O funil é rigoroso, mas os critérios são objetivos, premiam os melhores.

No mundo da música clássica, no entanto, o desafio é muito maior. Imagine um aluno brasileiro de qualquer instrumento – violino, piano, violoncelo, oboé, clarinete – que apresente um talento diferenciado. Pois acredite: ele tem de ir para a Europa ou Estados Unidos, enfrentar dúzias e dúzias de asiáticos, além dos nativos europeus, norte-americanos e russos (no caso de Antônio Meneses, por exemplo), para se firmarem. E só então, acreditem, eles pisarão nos palcos mais seletos do... Brasil.


Cristian Budu, que venceu o Concurso Clara Haskil, em Vevey, na Suíça, em 2013 [foto: divulgação]

É uma inversão absurda de valores. O caso relatado aqui mesmo neste espaço, da turnê deste ano da Osesp, que leva a tiracolo um jovem pianista russo Dmitry Mayboroda, 21 anos, é exemplar (Cosmopolitismo ou jequice?, de João Luiz Sampaio). A orquestra brasileira contratou o pianista que perdeu para o brasileiro Cristian Budu no Concurso Clara Haskil, em Vevey, na Suíça. O argumento de que ele já havia sido escolhido muito antes do concurso explica, mas só reforça um cacoete das nossas instituições mais fundamentais na vida musical nativa: as orquestras. Elas só chancelam jovens “vencedores” lá fora. É a senzala aguardando a aprovação da casa-grande para só então festejar os nativos e às pressas conceder-lhes espaço em suas temporadas.

Até algum tempo atrás, os concursos para preenchimento de vagas nas orquestras era uma bagunça total, onde valia mais o compadrio tão entranhado em nossas raízes do que a competência. Com a disseminação da audição às cegas dos candidatos, diminuiu a zorra.

O raciocínio torto estende-se também às encomendas de peças a compositores e à escolha de mestres de composição no Festival de Inverno de Campos do Jordão. Não se trata de exigir reserva ou cota para compositores ou músicos nacionais. Nada disso.

O argumento é ainda mais primário. Se os jovens talentos brasileiros – instrumentistas e compositores incluídos – continuarem a ser trocados por promessas norte-americanas, europeias ou do leste europeu/Rússia, quem dará espaço lá fora pra eles?  Ninguém. Só às custas de esforços monumentais. Por isso, justamente, de cada dez jovens talentos que poderiam construir carreiras importantes aqui e no exterior – apenas um ou outro Sísifo, disposto a carregar uma pedra até o topo da montanha, vê-la despencar e retomar indefinidamente a subida... até vencer, contra todos os prognósticos, um concurso internacional.


Luíz Fílip, um dos primeiros-violinos da Filarmônica de Berlim [foto: Anja Collins/divulgação]

Foi assim em 1982, quando o pernambucano Antônio Meneses concorreu e derrotou um punhado de violoncelistas russos em Moscou, no Concurso Tchaikovsky. Meses antes, pedira ajuda ao governo brasileiro para a viagem, que lhe foi negada. Após a vitória, recebeu do Itamaraty os parabéns regulamentares e – aí sim – ajuda financeira. Lógico que ele recusou. A história repetiu-se há pouco com o pianista Cristian Budu, que só é admitido nos “grandes palcos brasileiros” agora, depois de ter vencido em Vevey, um dos mais importantes concursos internacionais de piano do planeta. E também com o violinista Luiz Filipe, que só agora, como Luíz Fílip, chancelado como um dos primeiros-violinos da Filarmônica de Berlim, pisou a Sala São Paulo em grande estilo em julho.

Um brinde aos Sísifos incansáveis que vencem obstáculos tão formidáveis. É preciso ter férrea determinação e a música na alma. E sonhar com o impossível.

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
Noites memoráveis com Isabelle Faust e Alexander Melnikov Por Camila Frésca (18/5/2017)
Com Faust e Volmer, a Osesp chega à excelência Por Irineu Franco Perpetuo (16/5/2017)
Foi um esplendor, mas... Por Jorge Coli (16/5/2017)
Perdas e danos (Santa Marcelina incorpora Theatro São Pedro) Por Nelson Rubens Kunze (9/5/2017)
Pesquisa do Projeto Guri mostra resultados importantes Por Camila Frésca (3/5/2017)
Diana Damrau, uma artista de mais de 50 tons Por Irineu Franco Perpetuo (2/5/2017)
E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Junho 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 1
 

 
São Paulo:

28/6/2017 - Royal Northern Sinfonia

Rio de Janeiro:
29/6/2017 - Ensemble San Carlino (Itália)

Outras Cidades:
30/6/2017 - Curitiba, PR - Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba e Florilegium Musicum
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046