Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Ótimo começo de ano musical em São Paulo (12/2/2015)
Por Jorge Coli

O ano musical começou forte em São Paulo. Neste início de fevereiro pude ouvir quatro formidáveis concertos.

O primeiro foi no Theatro Municipal, dia 1º: Pedro Halffter, espanhol, 44 anos, magro, testa alta, rosto anguloso e inspirado, compositor e maestro, diretor artístico da Real Orquestra Sinfônica de Sevilha, do Teatro de la Maestranza de Sevilha e da Orquestra Filarmônica de Gran Canaria, que em abril deve reger a Filarmônica de Berlim, estava à frente da Sinfônica Municipal de São Paulo.

O programa foi aberto com o interlúdio e dança da ópera La vida breve. Halffter vem de uma família ilustre de músicos espanhóis, e seu tio Ernesto Halffter foi discípulo de Manuel de Falla: a primeira obra brotou do modo mais idiomático e fervoroso, com entusiasmo dionisíaco.


O espanhol Pedro Halffter em ensaio com a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo [foto: divulgação]

Em seguida, Sayaka Shoji interpretou o Concerto para violino de Sibelius. Sakaya Shoji, com 32 anos, é uma estrela que se eleva, firme, no céu da música. Pequenina, magrinha, num vestido azul em que serpenteavam meandros prateados, tímida, aderiu imediatamente às delicadas sonoridades da orquestra. Seu violino canta com delicadeza, mas impõe os mais belos fraseados. O público imediatamente foi tomado pela música, cativado por uma apresentação que se revelava extraordinária. Para ter uma ideia da força artística dessa admirável artista, clique aqui, e ouvirá sua interpretação da Chaconne de Max Reger.

Enfim, o poema sinfônico Uma vida de herói, monumento musical auto-celebrativo de Richard Strauss: que maravilhosas cores Pedro Halffter soube extrair da orquestra! E que orquestra! Soou divinamente, levada pela brilhante direção. A obra contém um solo, longo e difícil: o spalla da orquestra, Pablo de Leon, tocou como poucos, com sua sonoridade rica de uma espessura corpórea, do melhor e mais capitoso vinho.

Clique aqui para ouvir a arte de Pedro Halffter, numa interpretação de Brahms-Schönberg, e aqui para ouvir Pablo de Leon tocando Bach.

*

O segundo concerto, dia 5, foi no teatro de Paulínia: a Osesp inaugurava sua itinerância pelo estado, sob regência de Isaac Karabtchevsky. Bela e muito brilhante noitada: um prelúdio da Bachianas nº 4 de uma intensidade inaudita; a rara Sinfonia nº 8, também de Villa-Lobos, revelação para muitos, interpretada com sentimento de premência: a Osesp correspondendo ao grande nível que sempre se espera dela, anunciou assim a gravação que deve fazer dessa obra sob a regência de Karabtchevsky. O concerto se concluiu com o Pássaro de fogo, de Stravinsky, que fez o público saltar nas cadeiras.

*

Um momento prodigioso em sentido próprio foi o do recital dado por Paulo Szot no Theatro São Pedro de São Paulo. Amigos e cúmplices de longa data, Szot e Malheiro, que dirigia a orquestra do teatro, demonstraram uma afinidade sem falhas, apresentando um programa particularmente bem escolhido. Começou com cinco canções de Des Knaben Wunderhorn: todos sentimos, de imediato, que estávamos diante de uma interpretação de altíssima categoria. Houve como que uma corrente elétrica que passou pela sala.

Szot fez prova de sua versatilidade: da violência autoritária que exprime no Conde Almaviva, das Bodas de Fígaro, passou à interioridade torturada de Onegin e à imensa dilatação lírica no Colombo, de Carlos Gomes. Concluiu magistralmente pela cena do adeus de Wotan, na Valquíria. A Orquestra do Theatro São Pedro, cada vez melhor, demonstrou sua sutileza no prelúdio do primeiro ato de La traviata, e sua rutilância no prelúdio do ato 3 de Lohengrin. Ao término do concerto era evidente a euforia feliz do público, carregado por tão belas emoções.

*

Enfim, de novo, no Municipal de São Paulo, no dia 8, domingo, John Neschling regeu a Nona de Mahler. Antes, teve a excelente ideia de trazer a obra (breve, 13 minutos) de um jovem compositor italiano, Cristian Carrara, 38 anos, intitulada Tales From Underground. Procurei na internet sobre o compositor: alguns críticos o associaram a Arvo Pärt, e é verdade que ele desenvolve longas frases lentas sobre as quais por vezes cai um polvilho de sons delicados. Mas a semelhança para aí. Carrara demonstra em sua música algo de italiano, uma expressão lírica prenhe de belos sentimentos. Há alguma coisa de pucciniano nessa bela composição: ela poderia ser enxertada sem destoar como um interlúdio de La rondine, por exemplo. Aqui, a obra gravada pela Filarmônica Arturo Toscanini.

Depois, o grande momento, a imensa Nona, de Mahler. Uma hora e meia de música sublime, em que a Orquestra Sinfônica Municipal e o maestro Neschling fizeram jus ao fantástico monumento sonoro, tão difícil, tanto nas tempestades mais veementes quanto nas exigências de sutilezas: o final, feito dos mais tênues murmúrios, foi conduzido e executado do modo comovente e perfeito.

Assim, compensando tantas notícias ruins que vão pelo mundo e pelo Brasil deste 2015, que começou tão cheio de tristes acontecimentos e apreensões, a música em São Paulo já soube, se não compensar, ao menos consolar. Que seja o prenúncio de muita coisa boa por acontecer.

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Jorge Coli - é professor de História da Arte e da Cultura na Unicamp e colunista da Revista CONCERTO.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

20/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
20/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Oratório O Messias, de Händel
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046