Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Terça-Feira, 24 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Dupla formada por Daniel Guedes e Mario Ulloa se consagra com “Amor em paz” (13/3/2015)
Por Camila Frésca

Em 2011, escrevi neste espaço sobre o primeiro disco do duo formado pelo violinista Daniel Guedes e o violonista Mario Ulloa. Minhas impressões sobre o disco e o trabalho do duo foram ótimas (você pode ler o artigo aqui). Por isso, foi com curiosidade e expectativa que abri o CD Amor em paz, segundo trabalho da dupla. A surpresa e o deleite vieram logo nos primeiros compassos de Noites cariocas, que abre o disco.

Novamente, o costarriquenho Mario Ulloa e o carioca Daniel Guedes mergulham no universo da música popular e trazem de lá pérolas, bastante conhecidas, porém trabalhadas de maneira própria. Na verdade, esse segundo disco mescla clássicos da MPB – além de Noites cariocas, há Eu e a brisa, O amor em paz, Feitiço da Vila e Derradeira primavera – com composições do próprio Ulloa, peças clássicas de tradição cigana – duas Danças húngaras de Brahms e Czardas de Vittorio Monti –, um arranjo para o tema do filme A lista de Schindler, e Jurame, famosa canção de concerto da mexicana María Grever (1885-1951). O repertório aparece perfeitamente integrado, porque a dupla desenvolve uma linguagem única e orgânica que perpassa todo o disco.

Mas, na minha opinião, o melhor do CD é certamente o repertório popular brasileiro, executado ora com paixão, ora com picardia, e sempre com refinamento. A técnica sofisticada dos dois excelentes instrumentistas está lá, escondidinha, atuando totalmente para que o repertório escolhido soe o mais natural possível. Da mesma forma que no primeiro CD, os músicos respeitam a concepção original das obras e ao mesmo tempo dão uma contribuição pessoal; o resultado é que as peças soam simultaneamente conhecidas e renovadas. Porém, em relação ao trabalho anterior, é nítido o amadurecimento tanto de Daniel Guedes quanto de Mario Ulloa no que diz respeito ao trabalho como duo.


Daniel Guedes e Mario Ulloa lançaram Amor em paz: um mergulho na música popular [foto: divulgação]

Daniel, aliás, parece desabrochar, estando totalmente à vontade no repertório popular brasileiro. À época do lançamento do primeiro disco, em 2011, ele me disse que seu grande modelo e inspiração para interpretar essas peças era Fafá Lemos (sobre quem você também pode saber mais no artigo anterior). Pois neste disco Daniel pode se orgulhar de ter chegado ao mesmo nível de desenvoltura no universo popular que seu ídolo, não deixando nada a dever ao músico que o inspirou. Sua interpretação, aliás, lembra as melhores coisas de Fafá, de Grappelli e de Menuhin na música popular. A seu lado, Mario Ulhoa é preciso, discreto e presente. Impecável, destaca-se quando é hora e faz toda a cama para o violino brilhar.

Já quase no final do disco, mais uma surpresa: Daniel toca viola numa tocante interpretação de Derradeira primavera. Amor em paz comprova: Daniel Guedes é um dos melhores violinistas brasileiros da atualidade e tem demonstrado crescente amadurecimento e versatilidade.

[O CD Amor em paz está disponível na Loja CLÁSSICOS]

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

26/4/2018 - Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo e Antonio Pinto - piano

Rio de Janeiro:
29/4/2018 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
27/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046