Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
“Fidelio”, no Rio, entre o vazio e o exagero (30/4/2015)
Por João Luiz Sampaio

É um paradoxo interessante. Fidelio, escrita em 1805, ao narrar a história de Leonora, que travestida se infiltra em uma prisão para salvar seu amante Florestan, mantido ilegalmente em cativeiro, leva ao palco algumas das principais preocupações políticas e filosóficas de Beethoven. Ao mesmo tempo, entrou para a história da ópera como uma obra problemática, símbolo da dificuldade do compositor de lidar com o gênero – tanto que jamais voltaria a escrever para o palco nas décadas seguintes.

Fidelio não é, de fato, uma ópera convencional. O próprio Beethoven diria a um amigo, já no final da vida, que “de todos os meus filhos, este foi o que me causou mais dores de parto e maiores sofrimentos”. E o resultado da gestação, ao se apropriar de diferentes formatos e estilos em voga na época do autor, é mais um frankenstein formal do que uma síntese filtrada por meio de um olhar pessoal.

Mas a chave para a compreensão de Fidelio talvez esteja menos no desenvolvimento do gênero operístico na época de sua criação e mais na própria obra de Beethoven. Seu teatro é, antes de mais nada, um teatro de ideias. E isso, de alguma forma, joga a ação para um segundo plano, ou, como escreve Lauro Machado Coelho, no livro A história da ópera alemã, “o drama deixa de estar nos fatos para residir em música”.


Palco aberto na montagem do Municipal do Rio para Fidelio [fotos: Sheila Guimarães/divulgação]

O caráter fragmentado – e a forma que se assemelha a um mosaico de quadros estanques – ajuda a contextualizar a nova montagem da obra, estreada no domingo no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e assinada pela diretora Christiane Jatahy. Ela também parece pouco preocupada em narrar, ao menos de modo convencional, a história. O palco está vazio, revelando os bastidores do teatro, que assim se torna personagem. E esta ausência é a maneira que ela encontra de estabelecer um paralelo entre a história original de Fidelio e a nossa época, articulando, de maneira sutil, signos como opressão e heroísmo: colocar o coro (em bom desempenho) cantando na plateia não seria um modo de atribuir ao homem comum o germe da transformação?

No segundo ato, no entanto, os cantores se apresentam à frente de um enorme telão, no qual é narrada a descida de Leonora aos porões da prisão, em busca de Florestan. O vídeo, com a participação de atores, foi filmado nos subterrâneos do próprio teatro. O extrato básico da montagem, a utilização do teatro como personagem, se mantém, mas a forma é outra: e o que, no primeiro ato era vazio, agora é exagero. A sobreposição de modos narrativos pode, a princípio, ser interessante; aqui, no entanto, acaba por trair a própria noção que parece estar na base da produção – e teria sido interessante ver a diretora se aprofundar nela, sem subterfúgios.

Em que pese a regência teatral do maestro Isaac Karabtchevsky, em especial no segundo ato, foi muito irregular a atuação da Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro: faltou melhor desempenho individual e acabamento na interpretação. E o mesmo vale para os cantores: Melba Ramos passou boa parte da récita brigando com problemas incômodos de afinação no papel de Leonora/Fidelio; e o tenor Martin Homrich não pareceu à vontade com uma tessitura exigente como a de Florestan, em especial na ária que abre o segundo ato. O destaque da noite acabou sendo a soprano Julie Davies como Marzelline. Os baixos Savio Sperandio e Paul Edelmann, o tenor Santiago Ballerini e o barítono Sebastian Noack tiveram atuações corretas.


[Veja também]
O livro A história da ópera alemã, de Lauro Machado Coelho, está disponível na Loja CLÁSSICOS

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Luiz Sampaio - é editor executivo da Revista CONCERTO e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046