Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Sexta-Feira, 21 de Julho de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Kissin & “Falstaff” (23/6/2015)
Por Jorge Coli

É preciso dar o desconto, porque eu estava cansado. Algumas vezes a música em concerto reanima, estimula, e no final o cansaço se vai. Às vezes, o corpo e o espírito permanecem arreados, sem remédio.

Foi deste último jeito que fiquei no recital oferecido pelo grande Evgeny Kissin, no dia 17 passado, na Sala São Paulo.

Ele é um soberbo virtuose. Justamente, meu mau humor me fez ficar pensando: grande pianista ou grande virtuose? Pensei na repugnância que Mário de Andrade tinha pelos virtuoses, que ele sentia como seres tomados pela vaidade de si mesmos. Malabaristas, ele dizia.


O russo Evgeny Kissin: “pianista é pianista, e virtuose é virtuose” [foto: F. Broede/divulgação]

Não sei se Kissin é vaidoso. Sem dúvida ele constrói um personagem com absoluto domínio de tudo. Um crítico já notou que até suas inclinações de agradecimentos são calculadas, milimétricas, perfeitas.

Sua execução pianística é controlada, com uma técnica que não conhece limites. Incluindo na palavra técnica a perfeita dosagem do colorido.

O recital começou com a Sonata nº 10 em dó maior, K 330, de Mozart. Pérolas se debulhavam em fluidez com uma ponta de humor, numa concepção que não se importa com restituições filológicas, mas que reencontra a leveza elegante do século XVIII.

Em seguida, foi a Appassionata. Continuava a maravilhosa sonoridade. Contudo, a violência dos contrastes na dinâmica, no andamento, surgiam sem um discurso de fato coerente. Minha impressão era de uma construção em fragmentos, por vezes maravilhosos, mas sem compreensão do conjunto.

Na segunda parte foram os Três intermezzi de Brahms, musica interior e de elevada poesia. O discurso musical parecia brotar de um controle dos efeitos destinados a oferecer a intenção da poesia – “vejam como isto é poético” – em vez de fazê-lo viver poeticamente.

Enfim, uma seleção de evocações de cidades espanholas. As quatro primeiras pelo gênio de Albéniz: Granada, Cádiz, Córdoba e Astúrias. O pianista fazia brilhar a mão direita, abandonava-se aos rubati de rigor, e as pequenas jóias, calorosas e delicadas, soavam bonito. Mas eis que, para terminar a seqüência, Kissin inclui uma peça de Larregla, intitulada ¡Viva Navarra! Obra espetacular, pouco sutil, de exotismo fácil e sem grandeza musical, talvez ela fosse boa para um bis. Vinda após a finura altamente inspirada de Albéniz, degradava as obras que a precederam, rebaixando tudo à categoria de espanholismo pouco exigente. Está claro, o espetáculo virtuose dessa Navarra – que faria, em comparação, Gottschalk surgir como um poço profundíssimo – arrancou os aplausos entusiásticos do público. Que urrou de alegria, no segundo bis, a Polonaise héroïque, op. 53, de Chopin, obra-prima indiscutível, tocada com brio, que, porém, estava lá para fazer o público urrar.

Por que não? Mas tenho para mim, apesar de meu cansaço no dia, que pianista é pianista, e virtuose é virtuose.


O Theatro São Pedro reeditou Falstaff, de Verdi, na excelente montagem de 2013, concebida por Stefano Vizioli. Pude ver a última récita, domingo, dia 21.

De imediato, sem delongas: para mim é um mistério que Rodolfo Giugliani, o protagonista da ópera, não esteja pisando os palcos dos grandes teatros internacionais. Sua voz é excepcional: poderosa, com timbre caloroso e escuro, formidável projeção, homogênea nos graves, médios e agudos, que ele atinge com uma facilidade desconcertante. Outra perplexidade, maior ainda, é que ele não esteja mais presente nas produções brasileiras: quantos barítonos pagos a peso de dólares que aportam por aqui não o valem!


Cena do Falstaff, de Verdi, apresentada pelo Theatro São Pedro [foto: Décio Figueiredo/divulgação]

Em seguida: Anibal Mancini, que encarnou Fenton. Jovem cantor, pertence à Academia do Theatro São Pedro. Já havia interpretado o mesmo papel em 2013, e suas qualidades vocais anunciavam então a evolução que se ouviu ontem: um artista atingindo a mais alta poesia graças à sua musicalidade poética, à beleza do timbre, à plasticidade da linha melódica. Reúne, ele também, as condições para uma bela carreira internacional.

Ainda entre os homens: Douglas Hahn, cantor consagrado, criou um excelente Ford. O encontro dos dois barítonos no segundo ato foi um dos momentos altos dessa representação, que contou com tantos.

Não me detenho na menção dos outros intérpretes, embora eles o merecessem, porque completaram com galhardia o elenco.

A Orquestra do Theatro São Pedro, sob a batuta de Silvio Viegas, viva, precisa, deu as melhores cores para essa ópera cintilante.

Um ponto: a montagem de Stefano Vizioli foi revista por Pierluigi Vanelli. Perdeu rigor na direção dos atores: a gesticulação sem timing, sublinhada demais, transmitia menos o humor do que essa obra-prima é feita, do que efeitos exteriores, nem sempre convincentes. Isso perturbou sobretudo o primeiro ato. Mas a partir da cena hilariante do cesto jogado no Tâmisa, a máquina do riso entrou nos eixos.


[Veja também]
•  Ouvinte Crítico: Evgeny Kissin – Vote até o dia 24 de junho
•  Ouvinte Crítico: Falstaff, de Verdi, no Theatro São Pedro – Votação encerrada

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Jorge Coli - é professor de História da Arte e da Cultura na Unicamp e colunista da Revista CONCERTO.

Mais Textos

Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
Noites memoráveis com Isabelle Faust e Alexander Melnikov Por Camila Frésca (18/5/2017)
Com Faust e Volmer, a Osesp chega à excelência Por Irineu Franco Perpetuo (16/5/2017)
Foi um esplendor, mas... Por Jorge Coli (16/5/2017)
Perdas e danos (Santa Marcelina incorpora Theatro São Pedro) Por Nelson Rubens Kunze (9/5/2017)
Pesquisa do Projeto Guri mostra resultados importantes Por Camila Frésca (3/5/2017)
Diana Damrau, uma artista de mais de 50 tons Por Irineu Franco Perpetuo (2/5/2017)
E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Julho 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

23/7/2017 - Bachiana Filarmônica SESI-SP

Rio de Janeiro:
28/7/2017 - Codex Sanctissima

Outras Cidades:
22/7/2017 - Piracicaba, SP - Orquestra Sinfônica de Piracicaba
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046