Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Nos 70 anos de morte de Mário de Andrade, eventos e uma descoberta emocionante (1/7/2015)
Por Camila Frésca

Acredito que a maioria dos leitores da Revista e do Site CONCERTO já saibam da notícia que é, sem dúvida nenhuma, o acontecimento mais importante no ano em que se lembram os 70 anos de morte de Mário de Andrade: a descoberta da primeira gravação em áudio da voz do escritor e musicólogo. Num registro feito em 1940 no Rio de Janeiro, Mário de Andrade, Raquel de Queiroz e Mary Pedrosa cantam seis canções para o linguista norte-americano Lorenzo Turner.

Tudo começou quando Xavier Vatin, professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, localizou em suas pesquisas de pós-doutorado na Universidade de Indiana o nome de Mário de Andrade como um dos entrevistados pelo linguista afro-americano Lorenzo Dow Turner (1890-1972). A partir daí, já no Brasil, os professores Carlos Sandroni (UFPE) e Flávia Toni (IEB-USP) cotejaram documentos e informações diversas para se certificarem de que era mesmo Mário de Andrade quem cantava e explicava cada uma das canções. Os registros chegaram em rotação 16% superior a correta, e a velocidade exata foi determinada a partir de outras gravações da voz de Rachel de Queiroz e de depoimentos sobre o timbre de voz de Mário.


Retrato de Mário de Andrade, então com 35 anos, realizado em 1928 [imagem: reprodução]

A face A do disco de alumínio, com 6 minutos de duração, traz cinco melodias: Aribu, que Raquel de Queiroz aprendera com um palhaço, no Ceará; Zunzum, com Mário de Andrade e Mary Pedrosa, peça do final do século XVIII, usada nas rodas de bebida que o musicólogo acreditava ser originária de Minas Gerais; Tava muito doentim, cantada por Raquel de Queiroz, colhida por Ascenso Ferreira e Mestre Rozendo, em Pernambuco; Deus lhe pague a santa esmola, cantiga de mendigos colhida por Mário de Andrade em Catolé do Rocha, no interior da Paraíba; e Toca zumba, cantada por Mário de Andrade, na verdade uma cantiga chamada O bilontra, composta por Gomes Cardim, de São Paulo, pouco após a abolição da escravidão. No lado B do disco, com três minutos de duração, Mary Pedrosa, Raquel de Queiroz e Mário de Andrade explicam o que gravaram, estimulados por Mário Pedrosa, que aparentemente coordena a sessão de trabalho, e Pedro Nava, que deixa escapar algumas observações. Finalmente, Raquel de Queiroz canta uma última melodia, Meu irmão me dê uma esmola.

A gravação só reafirma, em muitos sentidos, o que já se sabia sobre Mário de Andrade: um pesquisador dedicado e apaixonado, pioneiro na valorização e registro – já com uma abordagem musicológica – de nossa música, principalmente a tradicional. Para além disso, há o encanto e o espanto de ouvir pela primeira vez a voz de um personagem que é tão familiar para tantos leitores e pesquisadores brasileiros. Até então, Mário podia ser reconstruído através de diversas fotos e até pequenos trechos de imagens em movimento. Mas não por algo tão íntimo como a voz, que parece trazê-lo ainda mais perto de nós.

Afora esse verdadeiro “presente” colocado a partir de agora à disposição de todos pelo site do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, e que pode ser ouvido e baixado aqui, a efeméride dos 70 anos fez com que o musicólogo e escritor fosse o autor homenageado pela Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) em sua presente edição, que acontece de 1º a 5 de julho, e ensejou o lançamento o livro Eu sou trezentos: Mário de Andrade vida e obra, de Eduardo Jardim, pesquisador que há décadas se dedica ao modernismo brasileiro. Mário de Andrade é também a capa da edição de julho da Revista CONCERTO.


[Veja também]
Edição digital da Revista CONCERTO de julho (para assinantes)
Eu sou trezentos: Mário de Andrade – vida e obra, de Eduardo Jardim, na Loja CLÁSSICOS

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

19/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
20/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Oratório O Messias, de Händel
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046