Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Tudo pelo público (15/2/2016)
Por João Marcos Coelho

Todo mundo adora citar o título de um artigo do compositor norte-americano Milton Babbitt (1916-2011) escrito em 1958 para a revista High Fidelity: Who cares if you listen?, literalmente: quem se importa se você está ouvindo. Babbitt tinha feito outro título, O compositor como especialista, e ficou muito irritado com a sacada do editor da revista. Ironicamente, ficou famoso mundialmente por causa de um título errado. Porque – e até Babbitt estava careca de saber – qualquer ser humano que escreva uma música, toque um instrumento ou comande, com as mãos ou uma batuta, um grupo ou orquestra, quer antes de tudo ser ouvido. Existe alguém que não daria a alma ao diabo para conseguir plateia? Para público externo, a resposta-padrão é sempre “Jamais eu faria isso”. Na prática, sabemos, isso acontece demais no dia a dia.


Cena de O dançarino do deserto, de Richard Raymonds, sobre Afshin Ghaffarian [imagem: divulgação]

A questão é espinhosa e complexa. Mas me veio à mente quando assisti, dias atrás, na TV a cabo, o filme Desert Dancer (2014), traduzido como O dançarino do deserto. 2009, Irã: o jovem Afshin Ghaffarian desafia as leis dos aiatolás montando uma companhia de dança clandestina – prepara com seu grupo uma coreografia, depois de assistir a performances variadíssimas, de Pina Bausch a Gene Kelly, pela web. E estreia sua obra em pleno deserto, a 100 quilômetros de Teerã. O público feito de amigos corajosos lota uma velhíssima van e assiste sentado na areia escaldante do deserto. A história é verídica. A coreografia é literal, simplória. Mas o tempero político de resistência leva Afshin – depois de sofrer um bocado nas mãos dos agentes do governo iraniano – para Paris, onde os franceses o incensam, dão-lhe bolsa de estudos e abrem-lhe todos os espaços. A música do britânico Benjamin, de ilustre sobrenome Wallfisch (família que tem muitos músicos respeitados) é interessante.

O que espanta, nos dois casos, é que Babbitt e Afshin ficaram famosos por motivos tortos. O primeiro, coitado, por um artigo que poucos se deram ao trabalho de ler, por causa de um título alheio que é um mote jornalístico venenoso e distorcido. O segundo também não queria, mas beneficiou-se do charme dos resistentes às obscuras ditaduras muçulmanas que pululam no Oriente Médio.

Será que, para chegar ao público, ser ouvido, os artistas precisam necessariamente desnaturar, violentar seus mais profundos dogmas? Ou, de outro modo: para chegar ao público, devem renunciar a suas posições, privilegiando – direta ou indiretamente – o marketing?

Pra pensar neste dificílimo início de 2016.

Clássicos Editorial Ltda. © 2016 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

29/4/2017 - II SPHarpFestival

Rio de Janeiro:
29/4/2017 - Roberto de Regina - cravo

Outras Cidades:
29/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Ópera Norma, de Bellini
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046