Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sexta-Feira, 23 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Pelo direito de aplaudir quando quisermos (25/4/2016)
Por João Marcos Coelho

A blogueira finlandesa Janne Koskinen pinçou num programa recente do Centro de Música de Câmara de Paris o seguinte aviso: “Aplauda quando quiser!” O texto diz: “A moda do século 20 de não aplaudir entre os movimentos de uma obra é historicamente absurda. O silêncio não era obrigatório na época de Mozart”. Quem anotou isso foi o polêmico e ativíssimo jornalista inglês Norman Lebrecht em 13 de março passado.

O aviso está rigorosamente correto. Em geral invoca-se uma tradição de não se aplaudir entre os movimentos de uma obra. Qual tradição? Até a década de 1920 os compositores e músicos não gostavam do silêncio de ritual. Há dezenas de registros de compositores e músicos do século 19 preocupados porque o público não aplaudira entre os movimentos.

Gracias a Lebrecht e à blogueira finlandesa por poder tocar de novo neste assunto. Música não é ritual. Um concerto não precisa necessariamente ser visto como cerimônia religiosa de adoração da obra de arte.

A tradição que se costuma invocar é uma tradiçãozinha recente, implantada por Leopold Stokowski quando titular na Orquestra de Filadélfia, que assumiu em 1912. “Quando vê um quadro você não aplaude”, dizia o maestro.

Por que na ópera o público aplaude após uma performance notável de uma ária? Tudo se congela. A soprano ou o tenor agradecem ao público – podem até bisar a interpretação. Depois, retoma-se a trama. Maravilha. E por que não podemos aplaudir quando um pianista ou um violinista cria, improvisa uma cadência num concerto?

A ópera é um espetáculo muito mais vivo, espontâneo, em que o público tem o direito de demonstrar suas reações – aplaudindo freneticamente ou vaiando quando bem entender. O concerto não. É uma missa musical onde os fiéis – epa, público – só têm o direito de ouvir. Quietos.

Outro dia um músico me disse que aplaudir entre um movimento e outro tira a concentração deles. Ora, mas o trompista joga cuspe acumulado no instrumento; o clarinetista troca a palheta. Que concentração? Sei que muita gente não vai gostar. Mas como seria bom – e positivo – se fôssemos mais espontâneos durante os concertos.

Um derradeiro exemplo. Vivemos duas atmosferas completamente diferentes na apresentação recente da divina Angelika Kirchschlager na Sala São Paulo. Ela cantou quatro lieder de Schubert com acompanhamento de cordas. Eu queria aplaudir após o primeiro, mas todo mundo ficou quieto. Só aplaudiram no final dos quatro lieder. Já na segunda parte, o clima de opereta tomou conta do palco e da plateia. Todo mundo se descontraiu, tudo fluiu mais agradável na sala inteira. Dá o que pensar.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

23/2/2018 - III Oficina de Piano USP

Rio de Janeiro:
25/2/2018 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046