Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Terça-Feira, 24 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura (12/7/2017)
Por Nelson Rubens Kunze

Já escrevi antes sobre o equívoco dos cortes financeiros promovidos pelo governo do Estado de São Paulo na área da cultura, que têm afetado drasticamente o modelo das OSs [leia aqui]. Além de inócua no enfrentamento da crise, a política cultural do estado, emergencial e sempre reagindo de improviso, ainda produz absurdos como o da troca de gestão da Jazz Sinfônica ao custo declarado “na ordem de” R$ 2 milhões (visto assim, nem parece que esteja faltando dinheiro...).

Entre as exigências claramente expostas em editais da Secretaria da Cultura, está o que chamam de “diversificação da fonte de recursos”. Essas fontes, contudo [como também já escrevi por aqui], são em quase sua totalidade provenientes de verbas captadas pela Lei Rouanet, ou seja, igualmente recursos públicos.

Tomei conhecimento há pouco, em artigo de João Luiz Sampaio para o jornal O Estado de S. Paulo, que a Fundação Osesp, seguindo a lógica acima, está realizando o Festival de Inverno de Campos do Jordão sem nenhum aporte do governo do estado. Zero! No ano passado o governo ainda investiu R$ 1,7 milhão; mas este ano, finalmente, ZERO! Assim, todos os custos – algo em torno de R$ 3 milhões – serão cobertos por patrocínios “privados”, muito provavelmente via lei Rouanet. Portanto, sucesso absoluto do plano de “diversificação da fonte de recursos” descrito no parágrafo anterior. Fácil, não é? O governo estadual empurra a conta 100% para a esfera federal e lava as mãos.

Poderíamos considerar que estaria tudo bem se o festival crescesse e florescesse, mas não é bem assim. É só lembrar que, desde 2015, o Festival de Campos do Jordão acontece em ... São Paulo! Isso mesmo. Para reduzir despesas, toda a parte pedagógica do evento e a maior parte dos concertos são realizados por aqui mesmo, na Sala São Paulo. Festival de Inverno de Campos do Jordão de São Paulo. Deve haver aluno bolsista que nem conheceu a bonita cidade serrana...

Mas toco nesse assunto por conta de um interessante estudo ao qual tive acesso, e que demonstra que cultura, além de sua função precípua de “alimento da alma” (vamos colocar assim), de promoção de identidade, de educação e de ser memória do patrimônio da humanidade, é também importante fator de desenvolvimento econômico.

Trata-se de uma análise sobre o impacto econômico do Festival de Salzburg, na Áustria. O quase centenário evento é um dos maiores festivais de ópera, teatro e música clássica do mundo. Só para se ter uma ideia da dimensão do negócio, a edição de 2017 promoverá cerca de 200 performances (entre as quais 40 de óperas, 54 de teatro e 79 de concertos), com óperas como L’Orfeo ( Monteverdi), La clemenza de Tito (Mozart), Lady Macbeth do distrito de Mzensk (Shostakovich), Aida (Verdi) e Wozzeck (Alban Berg), entre outras.

O estudo foi realizado pela Secretaria da Fazenda de Salzburg e tem o seguinte sugestivo título: “Festival de Salzburg: motor para a economia, infusão de excelência para a região”. Realizado em 2016 tendo como base o festival de 2015, ele extrapola as análises habituais ao calcular, pela primeira vez, não apenas a rentabilidade “indireta” – que seriam a ampliação da oferta de vagas de trabalho e os tributos recolhidos em razão dos gastos do festival – mas também o “valor acrescentado”, que é o valor que sobra de positivo considerando a soma de todas as receitas e despesas do “ecossistema econômico” do evento.

A conquista do México, ópera de Wolfgang Rihm, produção do Festival de Salzburg de 2015 [divulgação / Monika Rittershaus]

A análise baseia-se em uma pesquisa realizada com 3.067 visitantes do festival de 2015. Cruzando a pesquisa com os dados gerais do festival, o estudo revela que os visitantes, por meio de suas despesas em hotéis, ingressos para os espetáculos, compras, atividades de lazer, transporte e outros gastos, geraram uma demanda econômica de 141 milhões de Euros. O impacto dessa demanda, por sua vez, criou o impressionante valor acrescentado bruto de 183 milhões de Euros apenas em Salzburg; considerando toda a Áustria, o valor alcançou 215 milhões de Euros (cerca de R$ 800 milhões), quase 4 vezes o orçamento total do evento (que foi de 59,6 milhões de Euros).

Esse valor acrescentado de 215 milhões de Euros resultou em um rendimento disponível de 122 milhões de Euros. Além disso, gerou 3.400 vagas de trabalho, incluídas as 400 do próprio festival (mas sem considerar os cerca de 3.500 artistas de coros e orquestras atuantes no evento). Por fim, o Festival de Salzburg e seu “valor acrescentado” levaram a um recolhimento em tributos e taxas, para o poder público e o sistema social, da ordem de 77 milhões de Euros.

Como aponta o estudo, o “ecossistema econômico Festival de Salzburg” também gera, ao lado dos números mensuráveis acima citados, efeitos “intangíveis” difíceis de quantificar. São eles, por exemplo, ganhos de imagem, demandas em áreas de formação e ampliação de competências.

Em sua conclusão, o estudo afirma: “Portanto, cada Euro investido retorna múltiplas vezes. O Festival de Salzburg é um impulsionador sustentável em vários sentidos: por meio de sua produção cultural, que é líder no mundo e que produz muitos ganhos de imagem; com seu efeito de rede econômica, que gera grande valor acrescentado em alto nível; e por meio do fomento de competências, o que alavanca qualidade de know-how em empresas e instituições. O Festival de Salzburg é uma infusão de excelência anual para a região de Salzburg”.

Já o governo do estado de São Paulo, que foi por onde iniciei este texto, faria bem em trocar a sua “economia em cultura” pela “economia da cultura” austríaca...

 

[Para os interessados no assunto, o Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais realiza no próximo dia 25 de julho, no Masp em São Paulo, o seminário “O valor da cultura”, que abordará a economia da cultura para além dos impactos econômicos. Informações e inscrições podem ser feitas na página do Fórum no Facebook.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

29/4/2018 - Orquestra Experimental de Repertório

Rio de Janeiro:
29/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
26/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Ópera La Traviata, de Verdi
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046