Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Sábado, 21 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” (24/8/2017)
Por João Marcos Coelho

“Bem-vindo à política, Gustavo Dudamel.” Foi assim que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, saudou ironicamente o maestro Gustavo Dudamel, titular da Filarmônica de Los Angeles e o produto mais reluzente de El Sistema, revolucionário projeto sociomusical implantado 40 anos atrás pelo maestro José Antonio Abreu, que hoje envolve dezenas de orquestras e cerca de 700.000 crianças, adolescentes e jovens profissionais.

 
O maestro Gustavo Dudamel [Divulgação]

A saudação integrou um dos discursos costumeiros de Maduro na TV estatal. No caso, o da última sexta-feira, dia 18. Na segunda, dia 21, Maduro cancelou uma turnê internacional da Orquestra Juvenil da Venezuela, reunindo os melhores do Sistema entre os 7 e os 14 anos, que seria regida por Dudamel em concertos inclusive nos Estados Unidos em setembro próximo – incluindo uma apoteose no Hollywood Bowl, num repertório de respeito: a Quinta Sinfonia de Prokofiev e “Short Ride in a Fast Machine”, de John Adams.

Este “troco” ao maestro, mais do que por causa de suas manifestações públicas clamando pelo fim dos distúrbios em seu país, que já provocaram dezenas de mortes e centenas de manifestantes espancados e presos, deveu-se, de fato, às articulações de bastidores de Dudamel junto a José Luis Rodríguez Zapatero, presidente da Espanha, para libertar o violinista Wuilly Arteaga, 23 anos, espancado e preso há três semanas por tocar o hino venezuelano durante protestos contra Maduro.

Arteaga, próximo de Dudamel, foi libertado antes, na quarta-feira, 16. Mas Maduro sentiu-se “traído” pelo garoto-propaganda erudito do chavismo. Na verdade, o prodígio da batuta demorou muito a se pronunciar sobre a caótica situação que vive seu país. Só pôs a boca no trombone quando o regime atingiu músicos.

Isso dá bem a medida de como agem os músicos clássicos em geral – sobretudo os maestros. Ninguém vê, ouve nem fala nada. Ao menos enquanto o status quo lhes favorece. O país pode ir à breca (como, aliás, parece que estamos indo) que ninguém fala nada. Aqui, em todo caso, é pior. Porque nem com tantos músicos atingidos com demissões percebe-se um mínimo de ativismo, de solidariedade.

Pode-se até dizer que para um maestro como Dudamel – que ganha cerca de 4,6 milhões de reais por ano (fonte: Lebrecht) – é fácil tomar partido, ou mesmo receber represálias de Caracas, quando está muitíssimo bem instalado em Los Angeles. Mas distância não é problema. Ele tem enfrentado manifestações hostis mesmo nos Estados Unidos.

Além disso, a oposição venezuelana o tem pressionado a manifestar-se porque El Sistema pode estar em sério risco de sobrevivência. E seus assessores também lhe vêm dizendo para tomar muito cuidado para “não ficar do lado errado”.

Encerrando: Maduro pode ter sido sarcástico ao dar as boas-vindas a Dudamel por sua entrada na política, mas é fato que boa parte dos músicos (e falo aqui mais dos que têm postos de mando) pratica sim uma política sub-reptícia, subterrânea, a fim de sobreviver. Na aparência, são todos apolíticos desde criancinhas. No fundo, no fundo, são piores do que Sarney – são sempre governo, não importa qual seja.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

21/4/2018 - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e Coro da Osesp

Rio de Janeiro:
27/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
22/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Ópera La Traviata, de Verdi
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046