Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 21 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp (29/9/2017)
Por João Marcos Coelho

A diminuição expressiva de público na atual temporada da Osesp, aliada à crise que envolve o país inteiro, provocou algumas mudanças significativas de orientação para a temporada 2018, anunciada hoje [leia aqui].

Escrevo, claro, no calor da hora, após ter lido rapidamente o dossiê para imprensa. Como escreveu meu parceiro Irineu Franco Perpetuo no último dia 22 neste mesmo espaço [leia aqui], não é o caso de se bendizer a crise. Mas é muito bom ver que músicos brasileiros voltam a frequentar o palco da Osesp e contracenar com ela, como foi o caso do pianista Leonardo Hilsdorf há pouco – e será o de Lucas Thomazinho em 2018.


Osesp [Divulgação / Alessandra Fratus]

Os concertos de quinta e sexta-feira se iniciarão meia hora mais cedo, às 20h30. Os itinerários de chegada à Sala São Paulo podem ficar mais congestionados, porque os espectadores pegarão ainda o finalzinho do rush. Mas vale a pena o teste, porque os menores públicos da Osesp têm acontecido justamente nesses dias. Baixar os custos dos ingressos e permitir que cada um monte como quiser a “sua” temporada com seus concertos preferidos, são duas medidas igualmente salutares. Instituir duas séries gratuitas é melhor ainda para atrair novos públicos à Sala São Paulo, casos do Festival Viva Villa, comemorando em fevereiro o término da integral das sinfonias do compositor com Isaac Karabthevsky e a Osesp; e a Maratona Mozart, cinco concertos em dias seguidos, em outubro, com os vencedores do Concurso Jovens Solistas.

Outra iniciativa interessante é a do concerto de 60 minutos sem intervalo, com conversas de solistas e regente com o público no final. É uma alternativa que pode dar muito certo. A conferir.
Entre as atrações internacionais, sempre é bom ter músicos notáveis como Pierre-Laurent Aimard, Gabriela Montero, Igor Levit, Roger Muraro, Antoine Tamestit e o trombonista Christian Lindberg (que também vai reger). Isso além de termos as presenças um pouquinho mais estendidas entre nós de Emmanuel Pahud e Nathalie Stutzmann, entre outros.
 
Trazer Philippe Manoury como compositor visitante tem vários significados. Ele veio, décadas atrás, ainda estudante, com Michel Philippot, no Instituto de Artes do Planalto, da Unesp. E são mais do que justas as encomendas a Ronaldo Miranda e Aylton Escobar.

Em 2018 estão mais racionalmente concebidas algumas boas ideias que anteriormente, misturadas na programação normal, apareciam como elementos estranhos. Por exemplo, é ótima a ideia de preencher em abril um fim-de-semana com três apresentações encadeadas sob o mote “Piano Brasileiro”, abrindo com o Duo Gisbranco, Cristóvão Bastos e Leandro Braga na sexta e fechando com André Mehmari. Ou então, em outubro, de 16 a 20, uma maratona com os premiados no concurso jovens solistas, projeto de Eleazar de Carvalho em bendita hora resgatado.

Só não mudou o mantra de abrir temporadas com Mahler (no caso, será a sétima, em março). Mas isso não é pecado da Osesp. O cacoete viralizou no reino das orquestras sinfônicas em geral.

São apenas as primeiras – e boas – impressões da temporada 2018.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

22/2/2018 - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Rio de Janeiro:
21/2/2018 - Cecília Guimarães, Maria Helena de Andrade, Fernanda Cruz, Adriana Kellner e Ezequiel Peres - pianos

Outras Cidades:
22/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046