Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sábado, 23 de Junho de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach (29/3/2018)
Por Nelson Rubens Kunze

A Paixão segundo São João é uma das grandes obras do mestre do barroco alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750) e, assim, uma das grandes criações da música ocidental. A obra estreou em Leipzig, em 1724. (Em 1723, Bach havia assumido o serviço musical da Thomaskirche de Leipzig, como “Kantor”, e ali residiu por mais de 20 anos, produzindo um número impressionante de cantatas, oratórios e obras sacras.)

A Paixão segundo São João foi apresentada na última terça-feira, dia 27 de março na Sala São Paulo, em concerto extra-assinatura da Cultura Artística. A interpretação foi do excelente conjunto brasileiro Os Músicos de Capella, sob direção do violinista e maestro Luis Otávio Santos, em instrumentos de época, seguindo uma leitura historicamente informada. A obra é escrita para orquestra, baixo contínuo, solistas e coro. Sua estrutura alterna coros e árias interligadas pela narração cantada de um evangelista – um registro de tenor agudo com características vocais muito específicas. E foi sensacional o desempenho do evangelista Rodrigo del Pozo, cantor chileno que tem voz com cor e maleabilidade perfeitas, além de dicção e pronúncia do alemão irrepreensíveis. Del Pozo contou a história da crucificação de Cristo com o equilíbrio que o papel exige, sem histrionismos ou afetações. Um grande artista.

A apresentação, no geral, foi de alto nível. Luis Otávio Santos, que fez a direção do espetáculo, é músico de estatura internacional. Grande defensor e difusor da música historicamente informada – em que se busca reconstituir sonoridades e interpretações próprias da época em que as obras surgiram –, Santos é um de nossos músicos mais brilhantes. Conduziu a apresentação da cadeira do primeiro violino com uma ótima percepção dramática para os andamentos, imprimindo dinâmicas e articulações que resultaram em uma apresentação viva e orgânica. Logo o coro de abertura, com o ostinato do baixo e a célula motívica das semicolcheias, já foi de arrepiar.


Os Músicas de Capella na Sala São Paulo [Divulgação / Heloísa Bortz]

Os Músicos de Capella são excelentes instrumentistas, muitos deles conhecidos solistas. Foi emocionante ouvir a riqueza dos timbres barrocos, dos violinos às flautas (que, aliás, protagonizaram com a soprano Marília Vargas um dos muitos pontos altos do espetáculo na ária Ich folge dir gleichfalls). É preciso destacar mais um músico, o tecladista Alessandro Santoro (não por acaso colega de Luis Otávio desde os tempos em que estudavam no Conservatório Real de Haia). Santoro realizou a fundamental tarefa do baixo contínuo ao órgão, com grande sensibilidade e musicalidade, em simbiose absoluta com o evangelista, o coro e a orquestra.

Foi muito bom também o desempenho do coro, ao qual estavam integrados os solistas. Com apenas 12 vozes, soou coeso e bem articulado, dando um caráter de câmara à apresentação. Foram lindas e emocionantes as intervenções dos solistas: a soprano Marília Vargas (com senso estilístico e timbre luminoso), o contratenor Pedro Couri Neto, o tenor Jabez Lima e o barítono Marcelo Coutinho (com voz e inflexões muito adequadas).

Um espetáculo de alto nível para ficar na memória. Na concepção que tenho da obra, apenas estranhei um pouco a formação camerística do coro. Há uma ótima gravação do Bach Collegium do Japão, com direção de Masaaki Suzuki [disponível no YouTube], que também segue essa ideia reduzida do coro (ainda que eles fizeram com 16 vozes). Acredito que, se houvesse um coro um pouco mais encorpado – afinal, é a “turba” que cerca Jesus – , a dramaticidade do espetáculo cresceria sem prejuízo da ourivesaria do contraponto barroco, tão incrivelmente apresentada pelos Músicos de Capella.

[Para quem não assistiu – e também para quem assistiu – em dezembro tem mais: Os Músicos de Capella tocam as partes 1, 3 e 5 do “Oratório de Natal”, de Bach, em concerto extra-assinatura da Cultura Artística. Clique aqui para saber mais.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Auf Wiedersehen, Sir Rattle Por Leonardo Martinelli (22/6/2018)
Com Richard Strauss, ópera segue bem em 2018 no Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (19/6/2018)
Julia Lezhneva: Triunfo barroco na Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (12/6/2018)
Movimento Violão, 15 anos de atividades eternizadas num lançamento de fôlego Por Camila Frésca (4/6/2018)
Dois elencos, duas Traviatas Por Jorge Coli (28/5/2018)
Uma grande surpresa e um grande concerto para piano Por João Marcos Coelho (25/5/2018)
Suisse Romande: Master class na Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (15/5/2018)
Um matrimônio espirituoso, vivo e musical Por Jorge Coli (8/5/2018)
“Fausto” é novo marco artístico do Festival Amazonas de Ópera Por Nelson Rubens Kunze (7/5/2018)
Clássico em terreno popular: o encantador recital de Cristian Budu na série “Tupinambach” Por Camila Frésca (3/5/2018)
Um "Faust" digno dos grandes teatros internacionais Por Jorge Coli (2/5/2018)
Cristian, Jamil e OER empolgam o Municipal lotado Por Irineu Franco Perpetuo (30/4/2018)
Verdi futurista aterrissa no Theatro Municipal do Rio Por Nelson Rubens Kunze (30/4/2018)
Ótima "Traviata" estreia em Belo Horizonte Por Nelson Rubens Kunze (27/4/2018)
A Camerata Romeu e a reinvenção da música Por João Marcos Coelho (26/4/2018)
Primeira escuta: Ronaldo Miranda estreia obra com a Osesp Por Nelson Rubens Kunze (25/4/2018)
Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Junho 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
 

 
São Paulo:

26/6/2018 - Geneva Camerata e Pieter Wispelwey - violoncelo

Rio de Janeiro:
23/6/2018 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Outras Cidades:
24/6/2018 - São José dos Campos, SP - Festival Ethno Brazil
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046