Retrospectiva 2016 – Danilo Santos de Miranda (depoimento de dezembro de 2016)

por Redação CONCERTO 11/01/2017

“Ao longo de 2016, ano em que completou 70 anos, o Sesc São Paulo realizou um amplo leque de ações ligadas à música de concerto. Grande parte dos nossos centros culturais e desportivos se dedicou a esta que, entre as áreas da criação artística, figura entre aquelas que exigem especial atenção no quesito mediação. Para isso, a instituição lançou mão de diferentes formatos e plataformas, promovendo desde grandes orquestras nos palcos dos nossos teatros até atividades de iniciação voltadas ao público infantil em áreas abertas. O incremento do nosso escopo de iniciativas foi, sem dúvida, favorecido pelas parcerias com organismos de excelência na área, como a Osesp e os festivais Rc4 e Villa-Lobos, no Rio. Reiterando o compromisso da instituição com tal universo, a música de câmara mais uma vez se fez presente, mediante a continuidade das séries Concerto (Sesc Vila Mariana), Erudita (Sesc Pinheiros), Em Concerto (Sesc São Carlos), Vespertino (Sesc Santana) e Som das Igrejas do Centro (Sesc Carmo), culminando com a segunda edição do Festival Sesc de Música de Câmara. O Selo Sesc, segmento voltado à produção de CDs e DVDs, lançou neste ano três importantes referências na área: Alberto Nepomuceno, com interpretação do Quarteto Carlos Gomes; Portrait – Maury Buchala, com o Ensemble Court-Circuit (FRA); além do documentário A democracia das madeiras. Tudo isso sendo complementado pelo trabalho de base desenvolvido em nossos Centros de Música, localizados no Sescs Consolação e Vila Mariana, onde oferecemos cursos livres para iniciantes de todas as idades, propiciando o acesso ao fazer musical por meio da prática coletiva.”

 

Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo