Retrospectiva 2018 – João Luiz Sampaio (depoimento de dezembro de 2018)

por Redação CONCERTO 11/01/2019

“São tantas as más notícias que é difícil saber por onde começar. Talvez por casos pontuais, como os dos teatros municipais de São Paulo e do Rio de Janeiro. No primeiro, a briga entre prefeitura e Instituto Odeon só reforça a precariedade de um modelo de gestão no qual se insiste por pura teimosa e má fé, sabe-se lá por conta de que brechas que esse monstrengo permite. No Rio, terra arrasada. O que sobra em discursos em defesa do Municipal falta em programação e em posturas profissionais que de fato reconheçam que está em jogo a sobrevivência de um dos mais importantes palcos do país. Mas, para além desses casos, o fato mais cruel é que 2019 deve trazer uma nuvem pesada e escura sobre a cultura do país, não apenas pela extinção do ministério e pelos discursos irresponsáveis sobre a Lei Rouanet, mas em especial porque parece difícil acreditar em um papel de destaque para a arte em meio a uma tomada de poder marcada pelo obscurantismo e o preconceito. Resta saber como nossas instituições culturais vão se comportar. Estou bastante curioso – uma curiosidade mórbida, talvez, tendo em vista o que está em jogo – para ver como elas vão lidar com esse ataque à produção artística e se serão capazes de se articular e, em conjunto, resistir, tornando-se vozes reais no debate mais amplo sobre os rumos do país. Até porque, se permanecerem no silêncio que lhes é particular, alheias àquilo que está à sua volta, como se nada disso lhe dissesse respeito, o prognóstico é assustador.”

João Luiz Sampaio, jornalista e crítico musical, editor-executivo da Revista CONCERTO e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e do Portal Estadão