Retrospectiva 2018 – Ligia Amadio (depoimento de dezembro de 2018)

por Redação CONCERTO 07/02/2019

“No segundo ano à frente da Orquestra Filarmônica de Montevidéu (OFM), em que comemoramos seu 60º aniversário, realizamos mudanças significativas na dinâmica de trabalho, aproveitando melhor os recursos disponíveis. A OFM chegou a realizar 75 funções, entre concertos de temporada oficial, concertos descentralizados e didáticos e óperas. Os eventos mais importantes no ano foram o I Encuentro Internacional de Mujeres Compositoras en Uruguay (que homenageou Jocy de Oliveira) e o II Simpósio Internacional Mulheres Regentes, ambos em Montevidéu. A segunda edição do simpósio foi tão impactante quanto a primeira e recebeu sessenta diretoras de países como Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Israel, México e Uruguai. Fora do Uruguai, regi em Bangkok, Jerusalém, Mendoza, no I Festival de Arte Ecológica em Jujuy, Argentina, e em Santiago do Chile. No Brasil, tive o privilégio de realizar dois excelentes programas: com a Orquestra do Theatro São Pedro, em São Paulo, e com a Orquestra do Neojiba, em Salvador, onde também ministrei um curso de regência orquestral aos monitores do projeto. Em paralelo, tive a felicidade de atuar como uma embaixadora da cultura brasileira no exterior, adicionando compositores e intérpretes brasileiros nas programações, incluindo estreias de obras de Alexandre Guerra, Jocy de Oliveira, Alexandre Travassos e Camargo Guarnieri no Uruguai, além de um concerto todo dedicado à música brasileira em Israel. Começo o ano em paragens tão distantes como a Islândia e a Tailândia e levo um pouco de Brasil na mala e no coração.”

Ligia Amadio, regente titular e diretora artística da Orquestra Filarmônica de Montevidéu