Festivais de verão oferecem diversificada agenda de concertos

por Redação CONCERTO 27/12/2017

Os meses de verão também têm música no Brasil. Aproveitando o recesso da maior parte das orquestras e teatros nesse período, diversos festivais pelo Brasil reúnem músicos e artistas para promover a formação musical e oferecer uma extensa e variada agenda de concertos. Acompanhe abaixo (e no roteiro) os principais destaques.

Ilumina Festival realiza sua quarta edição entre os dias 2 e 14 de janeiro, em Mococa, no interior de São Paulo. Partindo do pressuposto de que a música é uma atividade social e deve nascer do convívio e do diálogo, o evento reúne músicos em uma fazenda, durante duas semanas, em um clima de laboratório musical, com ensaios, concertos e debates sobre o futuro da atividade musical. A direção artística é da violista americana Jennifer Stumm e entre os professores estão a violinista americana Tay Murray, o clarinetista italiano Gabriele Mirabassi e o baixo britânico Matthew Rose. Os concertos – que também acontecem no Masp, em São Paulo – serão temáticos, com obras de Tchaikovsky, Ravel, Barber, Olivier Toni, Schubert, Janácek, Stockhausen, Mozart, Hindemith, Golijov e Beethoven.

A cidade de Jaraguá do Sul volta a receber, entre os dias 14 e 27 de janeiro, o Festival de Música de Santa Catarina, dirigido pelo maestro e oboísta Alex Klein. O evento é um dos mais importantes do calendário nacional. Este ano, conta com presenças como a do violinista Leon Spierer ou do Arianna String Quartet como grupo residente. A programação dá atenção especial tanto à música de câmara (com um repertório que vai dos barrocos ao século XXI, com destaque para um recital inteiramente dedicado a Berio) como sinfônica, com obras como as quartas sinfonias de Mahler e Brahms, o Idílio de Siegfried, de Wagner, ou A história do soldado, de Stravinsky. Na ópera, o destaque é a presença dos professores Céline Imbert e Gino Quilico e a apresentação de La bohème, de Puccini.

Em Pelotas, acontece entre os dias 15 e 26 de janeiro a oitava edição do Festival Internacional Sesc de Música, com direção artística de Evandro Matté. Entre os professores, que também se apresentam ao longo do evento, estão nomes como o violinista brasileiro Luiz Fílip, o regente italiano Simone Bernardino ou o oboísta alemão Christoph Hartmann, que traz ao Brasil o Ensemble Berlin, responsável pelo concerto de abertura, no dia 15. A agenda de concertos inclui ainda uma série de recitais de câmara com alunos e professores. O concerto de encerramento, ao ar livre, será com a orquestra de alunos interpretando clássicos do cinema.

Oficina de Música de Curitiba, após o cancelamento da edição 2017, volta a acontecer este ano, entre os dias 27 de janeiro e 8 de fevereiro. Abel Rocha assume a curadoria de música erudita, ao lado de Rodolfo Richter (música antiga) e João Egashira (música popular), com a novidade de que todas as áreas terão suas atividades ao mesmo tempo, promovendo o diálogo entre os alunos e professores. A programação erudita tem artistas de peso, como a pianista Cristina Ortiz, e uma ópera, A flauta mágica, de Mozart.

Com direção artística de Jean Reis, o Festival Música nas Montanhas será realizado entre os dias 11 e 20 de janeiro, com artistas como o violoncelista Viktor Uzur, o violinista Cármelo de los Santos, o clarinetista Luiz Afonso Montanha e o violonista Edelton Gloeden. O concerto de encerramento, com a orquestra do festival, vai promover a estreia sul-americana do Concerto para contrabaixo, de Tan Dun. Poços de Caldas também abrigará o I Encontro de Violoncelos.

Em fevereiro, na serra gaúcha, acontece o quarto Gramado in Concert, com direção artística de Linus Lerner, brasileiro radicado nos Estados Unidos. Entre os dias 16 e 24, a proposta é oferecer música de câmara e sinfônica e promover o diálogo entre artistas brasileiros e estrangeiros.