Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Cuidado: Mahler demais mata! (11/7/2011)
Por João Marcos Coelho

As efemérides podem ser tão danosas quanto veneno do mais poderoso. E pelo simples motivo de que podem matar em nós, ouvintes e espectadores, o gosto pela música. Causa mortis, como diria o Zé Simão: overdose do mesmo. Programar concertos inteiros só com a música do homenageado é um atestado de burrice atroz. Mais do que isso: este tipo de programadores de concertos parecem não se incomodar com os que freqüentam as salas de concerto. Não por acaso, justamente o público que deveria ser muito bem tratado.

Pelamordedeus, um pouco de criatividade nos tributos. No ano passado, tocou-se tanto Chopin, repetiram-se tanto os dois concertos e sua música para piano que eu não agüento mais nem ouvir falar nele. Prometo voltar a ouvir sua música depois que meus ouvidos se desentupirem de tantas mazurcas, noturnos, scherzi e até (coitadas) as baladas. Se encontrar alguma polonaise pela frente, dou de bico.


Gustav Mahler

Agora pior do que um ano inteiro dedicado às “comemorações” de um compositor é quando as efemérides se empilham em torno do mesmo nome. Gustav Mahler, a bola da vez, por exemplo. Em 2010 o mundo comemorou os 150 anos de seu nascimento – ciclos de suas sinfonias e dos lieder orquestrais foram feitos em cada espaço musical clássico no mundo. E agora, em 2011, o mundo “comemora” (deveria chorar, e não comemorar) os 100 anos de sua morte. De novo, um dilúvio mahleriano.

O ofício de crítico musical não é tão leve como se supõe. Não consigo mais ouvir com paz de espírito a Quinta sinfonia. Nem me falem do adagietto. Podem ressuscitar o Karajan ou o próprio Gustav que não vou ver mais uma vez a quinta (a propósito, serei obrigado a ir ao concerto do final deste mês em que a Orquestra do Porto, que vem pela primeira vez ao Brasil, vai tocar sabem o quê? A Quinta de Mahler. E os apócrifos acrescentamentos feitos por terceiros para “terminar” a Décima sinfonia?

Houve uma gravadora – no caso, a ilustre Deutsche Grammophon – que promoveu uma votação dos consumidores internacionais para escolher a integral do povo, digamos assim, das nove sinfonias. E lançou o Frankenstein com muito rojão.

Vou lançar aqui uma ideia para os doutos programadores de nossa vida musical. Que tal fazer – ao menos uma vez na vida – uma pesquisa junto ao público de concertos para saber que compositores e obras eles gostariam de assistir ao vivo? Pode ser que Beethoven e Mozart ganhem de goleada. Mas haverá uma parcela que acenará com algo diferente.

Do jeito que as efemérides nos invadem corações e mentes como formidáveis tsunamis, vão acabar matando o nosso prazer de ouvir a boa música de Chopin, Mahler... e dos próximos efemeriáveis. Abaixo, portanto, as efemérides.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

29/4/2017 - Sylvia Maltese - piano, Clarissa Cabral - voz e Ronaldo Modolo Jr. - violino

Rio de Janeiro:
29/4/2017 - Roberto de Regina - cravo

Outras Cidades:
29/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Ópera Norma, de Bellini
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046