Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
O amor por uma frase musical (25/11/2011)
Por João Marcos Coelho

Como nasce e se desenvolve o amor por uma frase musical?

O escritor francês Marcel Proust (1871-1922) responde, num caderno de esboços escritos em 1910 de seu monumental ciclo de sete romances Em busca do tempo perdido:

“Pois uma frase musical, mais do que qualquer outra coisa no mundo – pode-se quase perguntar se ela não é a única a acontecer com amor – propõe um desejo, uma felicidade, uma volúpia que lhe é particular, que ela nos indica misteriosamente, mas nos faz por outro lado sentir suficientemente, e que não pode ser preenchido senão por ela.
Enquanto ela se desenvolve, nossa volúpia se determina, o caminho que ela nos mostra se define. O segundo e o terceiro passo misteriosamente comandados pelo elã do começo bastam para nos prometer a mais nobre, a mais calma das felicidades (embora estes superlativos e estas expressões gerais não possam servir para algo que é tão particular a uma frase que tem o charme de uma nova mulher pela qual nos apaixonamos). Assim, a invisível estrangeira nos conduz na obscuridade.
Mas no terceiro passo, no momento em que acreditamos que tudo vai dar certo, eis que nos abrem uma inesperada porta, que desamarra nosso prazer e nos faz mergulhar num mundo novo como uma criança que come uma batata mas, percebendo que está comendo a batata entre os seios de uma mulher, vê seu calmo prazer guloso transformar-se em outro prazer, oblíquo e enervante. Mas o prazer sexual, e a gulodice, e a bebedeira, e os perfumes proporcionam prazeres fixos que são sempre os mesmos. O mundo que nos abre cada bela frase musical só pertence a esta frase”.

Li pela primeira vez estas incríveis reflexões que tocam fundo a essência da relação entre nós e a música num livrinho precioso intitulado Proust Musicien do musicólogo franco-canadense Jean-Jacques Nattiez (Ed. Christian Bourgois, Paris, 1999).

Pois topei de novo há pouco com a inigualável musicalidade da escrita de Proust – expressa na famosa “pequena frase da sonata de Vinteuil” – na interessantíssima versão em quadrinhos de No caminho de Swann em dois livros em formato grande, com 52 páginas cada um, com o título geral Um amor de Swann I e II.

Obra-prima da literatura do século 20, o ciclo completo de Em busca do tempo perdido é composto por sete romances: No caminho de Swann, À sombra das raparigas em flor, O caminho de Guermantes, Sodoma e Gomorra, A prisioneira, A fugitiva e O tempo redescoberto ou O tempo recuperado. Desde 2003 a Editora Zahar vem lançando esta inacreditavelmente bem-sucedida versão em quadrinhos por Stéphane Heuet. Ele não muda os textos. Permite assim ao leitor brasileiro – e penso sobretudo nas crianças e adolescentes, mas também em nós adultos – um contato direto com esta obra cujo original praticamente alcança as 4.000 páginas. No final do volume, há informações, curiosidades e notas ilustradas que fornecem referências para a leitura. Nas páginas 2 e 3 o retrato dos personagens e um mapa de Paris localizando as casas de Odette de Crécy, Charles Swann e dos Verdurin, L’Opéra e L’Opéra-Comique. É, portanto, uma degustação ideal – dá água na boca de vontade de ir ao original.

Vinteuil é um compositor fictício, “à la clef” [claramente, remete a um compositor seu contemporâneo de carne e osso], criado por Proust para assinar esta sonata para violino e piano que enfeitiça Swann – e é lembrada nos sete romances. Mas quem seria este Vinteuil? Hoje é consensual que  ele é César Franck (1822-1890), e a obra é sua famosa Sonata para violino e piano. Há motivo para Proust encantar-se com Franck, um criador que fez da estrutura cíclica o seu modo de escrever música. Ou seja, ele expõe um tema, que, apresentado no início de sua obra, é devidamente ruminado, variado, explorado, nos demais movimentos. Uma postura em tudo parecida com a de Proust ruminando o passado enquanto saboreia uma de suas famosas madeleines (Proust não; seus personagens, claro).

Numa carta de 1895, portanto antes do início do ciclo de Em busca do tempo perdido, que escreveu entre 1908 e sua morte em 1922, Proust é certeiro ao apontar o caráter único da música em relação às demais artes:

“A essência da música é despertar em nós um fundo misterioso de nossa alma, que começa onde o finito e onde a ciência param, e que se pode chamar por isso mesmo de religioso. Este fundo é igualmente inexprimível em literatura e também em todos os modos de expressão finitos, que se servem ou de palavras, ou de objetos determinados – como a pintura e a escultura.”

Erótica, religiosa, fascinante. A música é tudo isso e mais alguma coisa. Delicie-se com as páginas 36 e 37, aqui reproduzidas, de Um amor de Swann II. O livro, da Zahar, tem ótima tradução de André Telles e custa R$ 39,00.


Fac simile de Um amor de Swann II, pg 36.


Fac simile de Um amor de Swann II, pg 37.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

29/4/2017 - Sylvia Maltese - piano, Clarissa Cabral - voz e Ronaldo Modolo Jr. - violino

Rio de Janeiro:
29/4/2017 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
29/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Ópera Norma, de Bellini
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046