Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Ainda faz sentido tocar 4’33”? (17/10/2012)
Por João Marcos Coelho

A ideia de John Cage quando compôs a não-música 4’33” era abrir a mente para o fato de que todos os sons são música, tanto os intencionais, tocados pelos intérpretes, quanto os não-intencionais, formados pelos ruídos ambientes, tanto naturais quanto das pessoas. Numa gravação de 4’33” de 2004, por exemplo, o público aguardou o sinal de que o movimento havia terminado para, como sempre, tossir à vontade. Cage transfere a performance do palco para a plateia, e o silêncio da plateia para o palco – esta é a grande sacada. Obriga a nós, público, a prestarmos atenção em outros sons, nos que nos rodeiam e que normalmente passam desapercebidos.

Mas esta é uma daquelas obras que não resistem à repetida execução, como acontece com as obras musicais convencionais. E talvez aí esteja a sua maior qualidade – a impossibilidade de repeti-la com o mesmo impacto. Por isso, fiquei indignado quando Kyle Gann, autor de um livro sobre 4’33”, elaborou uma discografia da peça com 24 gravações, de instrumentistas solo a grupos e até orquestras. Lixo e hipocrisia juntos.

Pra mim, isso não faz o menor sentido. Como também não faz nenhum sentido a Orquestra Sinfônica Brasileira “homenagear” o centenário de nascimento de Cage “interpretando” a obra em seu concerto na Sala São Paulo no próximo domingo. O impacto que ela um dia provocou já se dissipou há muito tempo. Por que não executar outras obras orquestrais de Cage, como Etcetera, 108 para grande orquestra. Ou mesmo o Concerto para piano preparado e orquestra de câmara, uma obra interessantíssima que você pode assistir aqui no Site CONCERTO [clique aqui], numa interpretação excelente do pianista John Tilbury, ao lado da Orquestra da BBC Escocesa, em concerto no último dia 17 de agosto no Royal Albert Hall, dentro do Festival Proms-2012?

Hoje em dia, 4’33" só se justifica se for transfigurada. Como fez o artista plástico norte-americano Jonathon Keats, de 41 anos: lançou um ringtone para celular intitulado 4’33". Kyle Gann, em seu ótimo livro sobre Cage, que recomendo ($13,20 em ebook kindle da http://www.amazon.com/), relata que Keats escreveu o seguinte para vender o seu (dele) peixe: “Desde o início dos tempos, o puro silêncio só foi possível no vacuum do espaço. Agora Keats gerou digitalmente o silêncio puro, 4 minutos e 33 segundos, que você pode ter no seu celular. Este ringtone silencioso espera trazer silêncio à vida de milhões de usuários de celulares, assim como às pessoas que estão próximas deles”. Mesmo depois de saber de quem é a peça e qual o seu significado, Keats não perdeu o rebolado: “Ele tentou criar um interlúdio de silêncio – e falhou. É compreensível. Cage viveu numa era analógica”.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

29/4/2017 - Sylvia Maltese - piano, Clarissa Cabral - voz e Ronaldo Modolo Jr. - violino

Rio de Janeiro:
29/4/2017 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
28/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046