Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Segunda-Feira, 22 de Maio de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Outro “Falstaff” (22/4/2014)
Por Jorge Coli

No último domingo, dia 20 de abril, houve récita com o segundo elenco de Falstaff, no Municipal de São Paulo. Este segundo, definindo elenco, deve ser tomado aqui apenas em ordem de sequência, já que, no que se refere à qualidade, foi também excelente.

O maestro Neschling, previsto como regente, passou a batuta ao jovem Michelangelo Mazza, spalla do Teatro Regio de Parma. Eletrizou o público pela intensidade, vivacidade, energia, brilhos acerados, rapidez toscaniniana com que dirigiu a obra. Pensei nos lendários inícios de Toscanini, quando, em 1913, no Rio de Janeiro, vindo como violoncelista da orquestra, tomou a batuta e dirigiu Aida no último minuto, iniciando assim a fabulosa carreira que se sabe.


Nelson Martinez, que encarnou John Falstaff no segundo elenco do TMSP [foto: divulgação]

A esta concepção enérgica somou-se a grandeza do barítono cubano Nelson Martinez. Voz escura, presença tremenda, foi um Falstaff ogro, assustador, poderoso, atingindo o sentimento do patético no momento do Mondo ladro!, único instante em que o personagem adquire consciência de sua velhice, declínio e fragilidade. Nada do gordo bonachão: um velho predador e vicioso, com certa maldade no timbre que podia lembrar Tito Gobbi.

Ouça e veja Nelson Martinez aqui, como o sinistro e poderoso Michele, em Il tabarro, de Puccini.


Romina Boscolo (Mrs. Quickly) e Adriane Queiroz (Alice) [fotos: divulgação]

Todo elenco foi de grande nível, com Adriane Queiroz em plena voz, luminosa, dando alma à “Alice bella”. Em meio ao ótimo conjunto, assinalo Romina Boscolo, jovem mezzo soprano que encarnou Mrs. Quickly. Primeiro, a surpresa para quem viu o outro elenco: ela é tão alta e magra quanto Elisabetta Fiorillo, a Quickly da primeira distribuição, era baixinha e gordinha. Romina Boscolo, nos trajes muito engraçados que a tornavam ainda mais magra, ficou um verdadeiro varapau e era, sem tirar nem por, um personagem de desenho animado.

Mas que voz! Calorosa, timbrada belamente, de modo homogêneo em todo registro, com graves profundos, de contralto. Tomara que volte, em outros papéis. Enquanto isso, ouça aqui sua esplêndida interpretação de Pergolesi, no Stabat mater.

Falstaff 1 e Falstaff 2 no Municipal? Não: Falstaff e Falstaff.

[Leia a crítica de Jorge Coli para o primeiro elenco de Falstaff do Municipal de São Paulo]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página





Jorge Coli - é professor de História da Arte e da Cultura na Unicamp e colunista da Revista CONCERTO.

Mais Textos

Noites memoráveis com Isabelle Faust e Alexander Melnikov Por Camila Frésca (18/5/2017)
Com Faust e Volmer, a Osesp chega à excelência Por Irineu Franco Perpetuo (16/5/2017)
Foi um esplendor, mas... Por Jorge Coli (16/5/2017)
Perdas e danos (Santa Marcelina incorpora Theatro São Pedro) Por Nelson Rubens Kunze (9/5/2017)
Pesquisa do Projeto Guri mostra resultados importantes Por Camila Frésca (3/5/2017)
Diana Damrau, uma artista de mais de 50 tons Por Irineu Franco Perpetuo (2/5/2017)
E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Maio 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

25/5/2017 - Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

Rio de Janeiro:
25/5/2017 - XII RioHarpFestival

Outras Cidades:
28/5/2017 - Vitória, ES - Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046