Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sexta-Feira, 18 de Agosto de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Músicos Sem Fronteiras: reabilitando vidas por meio da música (2/10/2014)
Por Camila Frésca

Muitos conhecem o trabalho incrível que a organização Médicos Sem Fronteiras realiza ao redor do mundo, ajudando a diminuir o sofrimento de populações vivendo em áreas de extrema pobreza ou devastadas pelas guerras. Poucos sabem, no entanto, que existe um projeto similar no qual o trabalho humanitário é realizado por meio da música: é o Músicos Sem Fronteiras (Musicians without Borders) organização não governamental e internacional criada em 1999 na Holanda pela musicista norte-americana Laura Hassler.

Além de musicista, Hassler era uma ativista pacifista e conta que, em 1999, logo após reger um concerto coral, lhe ocorreu a ideia de criar uma organização que pudesse combinar suas duas ocupações para ajudar pessoas afetadas pela guerra. Nascia assim o Músicos Sem Fronteiras (MWB), cujo trabalho consiste em usar o poder da música para aliviar traumas e promover reconciliação em regiões arrasadas por guerras e conflitos. O primeiro concerto aconteceu ainda em 1999, em Kosovo, no final da guerra. A ideia é de que a música pode reduzir os efeitos relacionados à guerra e aproximar comunidades que se encontram separadas através da experiência do fazer musical. Detalhe importante: trata-se de fazer música e não apenas escutar passivamente.

Os projetos são desenvolvidos em colaboração com músicos locais e organizações da sociedade civil, e as experiências bem sucedidas são usadas para desenvolver modelos, metodologias e treinamentos para o uso em outras regiões. Atualmente, a entidade desenvolve projetos em Ruanda, Uganda, Cisjordânia, Kosovo e Bósnia-Herzegovina, entre outros. Fabienne van Eck, violoncelista, é uma das supervisoras do projeto Sons da Palestina (Sounds of Palestine), baseado no El Sistema e que envolve cerca de 200 crianças que vivem em campos de refugiados na Palestina. Veja no vídeo abaixo (em inglês):

Num depoimento publicado recentemente, Fabienne conta que o objetivo é ensinar as pessoas a fazer música e utilizá-la como um elemento em seu dia a dia. Ela ensina de crianças pequenas a adultos a trabalhar com a voz, percussão corporal ou até mesmo reger – neste caso, o aluno conduz a forma com que ela toca uma música no violoncelo. Ela ouviu de um garoto de 19 anos que ele ficava aterrorizado pelo barulho das bombas durante a Segunda Intifada, até que passou a imaginar que se tratava de sons de percussão. “É difícil dizer quão efetivo nosso trabalho é. Os pais dizem que seus filhos mudam de comportamento e melhoram seu desempenho escolar”, ela conta. “Tentamos nos certificar de que cada workshop seja parte de um projeto contínuo e adequado às necessidades da comunidade. Sustentabilidade é nossa principal preocupação, mas nunca sabemos o que irá acontecer no dia seguinte. Nós adiamos workshops, se necessário, mas nunca cancelamos – é importante mostrar aos participantes que estamos sempre lá para eles.”

Para Laura Hassler, o poder da música se sobrepõe a diferenças culturais, linguísticas e religiosas: “Quando as pessoas estão criando música juntas, num mesmo espaço, esta se torna seu único foco e elas se esquecem de todo o resto”. Além do objetivo imediato de utilizar a música como uma espécie de alívio e reconciliação, o MWB tem a intenção de usá-la como um elemento sustentável de mudança a longo prazo. Para isso eles treinam pessoas da comunidade que se tornam agentes capazes de dar continuidade ao projeto. No site da entidade é possível fazer doações e conhecer detalhes de cada um dos projetos do Músicos Sem Fronteiras (www.musicianswithoutborders.org). Vale conferir ainda este tocante vídeo (também em inglês) feito em Ruanda, onde a organização desenvolve um projeto com crianças, a maioria infectada com HIV:

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
Noites memoráveis com Isabelle Faust e Alexander Melnikov Por Camila Frésca (18/5/2017)
Com Faust e Volmer, a Osesp chega à excelência Por Irineu Franco Perpetuo (16/5/2017)
Foi um esplendor, mas... Por Jorge Coli (16/5/2017)
Perdas e danos (Santa Marcelina incorpora Theatro São Pedro) Por Nelson Rubens Kunze (9/5/2017)
Pesquisa do Projeto Guri mostra resultados importantes Por Camila Frésca (3/5/2017)
Diana Damrau, uma artista de mais de 50 tons Por Irineu Franco Perpetuo (2/5/2017)
E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Agosto 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
30 31 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31 1 2
 

 
São Paulo:

23/8/2017 - Balé Pulcinella, de Stravinsky e ópera Arlecchino, de Busoni

Rio de Janeiro:
26/8/2017 - Eduardo Monteiro - piano, Paulo Sérgio Santos - clarinete, Luiz Garcia - trompa e Fernando Portari - tenor

Outras Cidades:
23/8/2017 - Recife, PE - Orquestra Sinfônica do Recife
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046