Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Sábado, 21 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
A Lady Macbeth de Anna Netrebko e um concerto de Max Bruch (6/10/2014)
Por João Luiz Sampaio

Uma boa medida da fama alcançada por um cantor talvez seja a repercussão que atividades que poderiam ser consideradas naturais, como o acréscimo de um novo papel em seu repertório, acabam provocando. Na semana passada, por exemplo, a soprano russa Anna Netrebko fez sua estreia norte-americana como Lady Macbeth, na ópera de Verdi, no Metropolitan Opera House, de Nova York. E as récitas foram antecedidas por muitos comentários na imprensa local, sempre em torno de uma mesma pergunta: ela pode ser a grande soprano da atualidade, mas será que dá conta?

Netrebko está ampliando seu repertório em direção a papeis mais pesados. Em Salzbugo, este ano, cantou Leonora, no Il trovatore, também de Verdi (Irineu Franco Perpetuo esteve lá e comentou a atuação em texto publicado também aqui no Site CONCERTO). E, agora, Lady Macbeth, um papel temido, conhecido como destruidor de vozes, já encarnado até por mezzos como Shirley Verrett e Grace Bumbry.

Netrebko dá conta? E como! Não se trata apenas do desempenho em cada uma das três árias que pontuam a atuação da personagem, nas quais ela se sai bem tanto nas passagens mais agudas quanto naquelas em que os graves são amplamente exigidos. O grande trunfo da interpretação é sua fidelidade ao estilo de canto verdiano – e isso também significa estar atenta à transformação da personagem, que se revela não apenas no texto, mas no modo como a música passa a acompanhá-lo.


Anna Netrebko como Lady Macbeth, na montagem realizada pelo Metropolitan Opera House [foto: divulgação]

Macbeth é uma ópera de transição, entre a tradição do bel canto e novos caminhos trilhados por Verdi em direção a um drama mais orgânico. O fato do compositor ter retornado à partitura para revisá-la explicita essa dualidade de forma bastante clara. O que exige dos intérpretes uma atenção especial ao estilo – e, além de Netrebko, a atuação de Zeljko Lucic como Macbeth o coloca em definitivo na lista dos grandes barítonos verdianos de nossa época. Assim como a leitura de Fabio Luisi, clara, fluente, ajuda a entender os motivos pelos quais o maestro, que já é titular do Metropolitan, é o candidato natural ao posto de diretor artístico no lugar de James Levine. Ter o baixo René Pape como Banquo é um luxo – e em um panteão de grandes cantores como esses, o excelente tenor Joseph Calleja acaba ficando até um pouco apagado no curto, ainda que importante, papel de Macduff.


Assisti ao Macbeth na récita de sábado, dia 27 de setembro. E, quatro dias depois, na quarta-feira, acompanhei a noite de abertura da temporada do Carnegie Hall. No palco, a Filarmônica de Berlim regida por Simon Rattle, tendo a violinista Anne-Sophie Mutter como solista. No programa, as Danças sinfônicas de Rachmaninoff, o Concerto para violino nº 1 de Bruch e as cenas finais do Pássaro de Fogo, de Stravinsky – pouco mais de uma hora de música, interpretada sem intervalo.

 
Mutter e Rattle à frente da Filarmônica de Berlim, no Carnegie Hall [foto: Rob Davidson/divulgação]

Ver um grupo como a Filarmônica de Berlim, em certa medida, é voltar ao básico, é se dar conta de algumas obviedades a respeito do que faz uma grande orquestra. À personalidade indiscutível de cada naipe se soma uma clara identidade de conjunto. O que, na prática, sugere um equilíbrio sonoro que permite ouvir tudo, cada detalhe de uma interpretação que, no Rachmaninov e no Stravinsky, se preocupa em extrair novas leituras que nascem de uma atenção especial aos detalhes das partituras.

O que mais me impressionou, no entanto, foi o Concerto de Bruch. Não apenas pela interpretação de Anne-Sophie Mutter, que cria um mundo totalmente seu, com andamentos flexíveis que marcam cada movimento de forma clara e, ainda assim, oferecem uma visão de conjunto. Mas também, e principalmente, pela maneira como ela foi acompanhada por Rattle e a filarmônica. Convenhamos: quantas centenas de vezes essa orquestra deve ter acompanhado os maiores violinistas do mundo no Concerto de Bruch? Mas eles nos iludem direitinho: e, ali, parecia que a peça ganhava vida pela primeira vez. Coisa rara, que você pode ouvir aqui.

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Luiz Sampaio - é editor executivo da Revista CONCERTO e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

29/4/2018 - Orquestra Experimental de Repertório

Rio de Janeiro:
29/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
24/4/2018 - Brasília, DF - Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046