Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 19 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Os 150 anos de Carl Nielsen e algumas considerações sobre música brasileira (26/5/2015)
Por Camila Frésca

Em 2014, Alberto Nepomuceno fez 150 anos de nascimento. A importância desse compositor na música brasileira é geralmente apontada por conta do pioneirismo no canto em língua portuguesa. De fato, Nepomuceno escreveu diversas canções em português e outras obras nas quais a temática nacional está em pauta não apenas na inspiração ou discurso, mas no próprio conteúdo musical (vide sua Série brasileira). Mas sua importância vai muito além disso. Compositor de sólida formação, sua obra representa um dos pontos altos da passagem do século XIX para o XX; figura atuante na nascente República brasileira, a vida de Nepomuceno é um exemplo das batalhas e cenários musicais vividos pelos músicos de sua época; professor e diretor da principal instituição musical da nascente república, lutou em prol da institucionalização da prática musical e dos direitos dos músicos. O catálogo de Nepomuceno inclui, além da Série brasileira, centenas de obras para diversas formações, como as óperas Porangaba, Electra, Ártemis, Abul e a inacabada O garatuja, e a Sinfonia em sol menor. Somam-se a essas peças sacras, dezenas de canções para canto e piano e canto e orquestra, peças para piano, um trio e quatro quartetos de cordas. Lembro-me de ter ficado bastante incomodada em não ver o compositor tocado e apresentado em nossas salas de concerto nem mesmo por conta da efeméride (exceção honrosa feita à montagem de Ártemis pelo Theatro São Pedro de São Paulo). Afinal, se não o fizermos, quem o fará?

Neste ano, o compositor dinamarquês Carl Nielsen completa igualmente 150 anos. Tal como Nepomuceno, Nielsen é um compositor preocupado com questões nacionalistas que atuou no final do século XIX e início do XX. Em seu país é muito admirado por suas canções baseadas em tradições populares dinamarquesas. Internacionalmente, seu legado são as seis sinfonias. Se está fora de discussão a importância de tocar e conhecer a obra desse compositor, fiquei surpresa ao notar que nossas orquestras, até o momento, já programaram mais obras de Nielsen do que o que se tocou de Nepomuceno durante todo o ano passado!


Compositor Carl Nielsen, que no dia 9 de junho completa 150 anos de nascimento [imagem: reprodução]

É claro que não se trata apenas de uma questão de “vontade” ou de “gosto” de nossos programadores. É espantoso o número de ações promovidas na Dinamarca com o intuito estabelecer e estimular a difusão da obra do grande nome da música clássica de seu país. Isso já fica claro quando se lê a detalhada biografia do compositor na página da Wikipedia, e se confirma com uma visita ao site especialmente construído para comemorar a efeméride dos 150 anos. Muito completo e bem organizado, traz informações biográficas, fotos, vídeos, calendário de apresentações e ainda permite que se ouça boa parte da obra do compositor. Outras iniciativas que colaboram para o fortalecimento do nome de Nielsen são a Competição Carl Nielsen, o Museu Carl Nielsen, os Carl Nielsen Studies e a Carl Nielsen Edition, uma impressionante revisão crítica de toda a obra do compositor em 32 volumes de partituras precedidas de textos explicativos, bilíngues, e que podem ser baixados gratuitamente. O projeto levou alguns anos e foi encampado pela Biblioteca Nacional da Dinamarca.

Que bom seria se difundir e estabelecer a obra de alguns dos nossos maiores compositores fosse um projeto de Estado – que investindo dinheiro e mão de obra intelectual fizesse uma força tarefa para, em alguns anos, estabelecer toda a obra de determinado compositor, entre outras iniciativas. OK, podem alegar que Carl Nielsen é o mais importante compositor da Dinamarca, e seria, portanto, o nosso Villa-Lobos (embora, cá entre nós, Villa-Lobos, em minha opinião, seja um gigante bem maior que Nielsen). Ainda que tenhamos iniciativas importantes relacionadas à obra do compositor – como as da Osesp e da Academia Brasileira de Música – quanto ainda é necessário trabalharmos para que Villa tenha sua obra organizada e difundida em dimensão semelhante? E o que falar então de outros grandes como Carlos Gomes, Alberto Nepomuceno, Camargo Guarnieri, Francisco Mignone...


[Veja também]
A seção Vidas Musicais da edição de junho da Revista CONCERTO é dedicada a Carl Nielsen (disponível para assinantes)

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

26/4/2018 - Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo e Antonio Pinto - piano

Rio de Janeiro:
29/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
28/4/2018 - Manaus, AM - XXI Festival Amazonas de Ópera
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046