Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Viva a diversidade do violão brasileiro! (10/9/2015)
Por João Marcos Coelho

2015 parece ser, definitivamente, um ano iluminado para o violão e os violonistas por aqui. Multiplicam-se os excelentes lançamentos, a maioria impulsionados pelo ProAC, mecanismo estadual de incentivo a projetos que cabem sob medida na produção de um CD.

O leque é amplo. Além das gravações individuais, dois entre os mais consagrados grupos brasileiros acabam de lançar CDs.

Um deles, o Trio Opus 12, revive depois de fazer história na vida musical paulistana, na década de 1970: sua gravação de estreia representou um marco importante na música brasileira, pois foi o primeiro LP clássico independente no Brasil. Criado em 1977, era formado por três violonistas: Oscar Ferreira de Souza, Clemer Andreotti e Paulo Porto Alegre. Hoje, Paulo Porto Alegre, 62 anos, formidável como violonista e também como compositor, promove o renascimento do Trio Opus 12 – agora ao lado de dois ex-alunos muito talentosos, Daniel Murray e Chrystian Dozza – lançando Divertimentos. O CD vale a pena sobretudo pelas composições de Porto Alegre.


Daniel Murray, Paulo Porto Alegre e Chrystian Dozza, o Trio Opus 12 [foto: Christian Maldonado/divulgação]

O outro é o quarteto de violões Quaternaglia, que acaba de lançar o CD Xangô. O título do CD remete a uma obra de Almeida Prado, um dos mais importantes compositores brasileiros contemporâneos, que infelizmente nos deixou em 2010. Ele trabalhou a execução da obra anos atrás com Sidney Molina, Chrystian Dozza, Fábio Ramazzini e Thiago Abdalla – e dedicou-a ao Quaternaglia. É uma gravação de qualidade que abre um diversificado leque estilístico, onde cabem criações de Villa-Lobos, Ronaldo Miranda, Sérgio Molina, João Luiz e de um dos integrantes do quarteto, Christian Dozza, que trabalha sobre um belo tema de Egberto Gismonti.

Mas além desses grupos, tem muito mais. O Duo Assad num eclético retrato da criação musical brasileira sem adjetivos; o violonista peruano Jorge Caballero, que em Quadros, realiza um tour de force fantástico, interpretando a famosa transcrição de Kazuhito Yamashita para os Quadros de uma exposição, de Mussorgsky.

O mais recente desta lista é Daniel Murray, que em vez de um acaba de lançar dois CDs: um para públicos mais amplos, intitulado Autoral, só com ótimas e mais tradicionais composições para violão solo (com apenas duas exceções mais experimentais); outro decididamente experimental mas igualmente excelente, intitulado Universos em expansão....

Vale a pena fazer um passeio – um não, vários, muitos – pelo mundo do violão brasileiro contemporâneo. Não há, em outras latitudes, tamanha diversidade.

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

30/4/2017 - Orquestra Experimental de Repertório e Cia. Imago

Rio de Janeiro:
28/4/2017 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
28/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046