Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Sábado, 23 de Junho de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Marcos Salles e o violino amazônico (30/10/2008)
Por Camila Frésca

No último artigo ("Brasil, um país de violinistas?") comecei a falar da tradição de violinistas no Brasil. Entrando no campo dos intérpretes-compositores, mencionei três nomes importantes, mas só foi possível tratarmos detidamente de Manuel Joaquim de Macedo. Pois bem, agora é a vez de falar um pouco mais de Marcos Raggio de Salles (1885-1965), violinista e compositor de família paraense, nascido em Salvador, que foi provavelmente o primeiro compositor a escrever para violino solo no Brasil.

Marcos Salles cresceu num ambiente em que a música estava muito presente, pois ambos os pais tocavam piano. Seu pai, o médico Mecenas Salles, acompanhava com entusiasmo o movimento artístico de Belém do Pará. Aos 13 anos Salles se interessa pelo violino, e toma aulas com o professor italiano Luigi Sarti, mestre de muitos instrumentistas da região. Sarti o recomenda a seu irmão, e é assim que Marcos Salles parte para um período de estudos na Real Academia de Bolonha, na Itália, em 1908. De lá volta com o diploma de "maestro violinista" e com algumas composições debaixo do braço. Eram os Seis caprichos para violino solo op. 20, que apresentam diferentes maneiras de tratar o violino, em escala crescente de dificuldades. Ao que tudo indica, é a primeira vez que um brasileiro escreve um conjunto de peças para violino solo.

Ao retornar vive entre Salvador, Belém e excursionando para Manaus, onde dava com freqüência concertos que incluíam obras suas. Em 1911, decide ir morar no Rio de Janeiro, e pontua sua viagem com apresentações em diversas capitais, como São Luís, Recife e Vitória. Em 1914, funda em Niterói a Escola de Música Fluminense; quatro anos mais tarde, é a vez de colaborar na criação da Academia de Música da Bahia, que logo se torna uma das principais escolas de música do Estado; e, em 1936, funda ao lado de Lorenzo Fernandez o Conservatório Brasileiro de Música, ocupando a cadeira de violino e formando gerações de violinistas. Seu interesse pelo ensino fez com que criasse vários métodos de iniciação musical ao violino, bem como a "Manu Pauta", método de ensino de música e canto, publicado em 1938. Neste período revela-se outro talento no artista, o de escultor: observando os colegas do Liceu de Artes e Ofícios, inicia-se na prática e obtêm sucessivos prêmios no Salão Nacional de Belas Artes. O busto de Lorenzo Fernandez que esculpiu pode ser visto hoje em dia no Largo do Machado, no Rio de Janeiro. Salles segue ensinando, compondo e dando concertos até falecer nesta cidade a 6 de setembro de 1965.

Seu catálogo de obras já organizadas conta com 92 peças, que abrangem o piano solo, canto e piano, violoncelo e piano, coros, arranjos e muitas composições para violino e piano, entre outras. Deste total, 21 foram escritas para violino solo - isso sem contar as cadências que escreveu para concertos de Mozart, Viotti, Paganini e Beethoven. Nas peças para violino, Marcos Salles procurava caracterizar o ambiente amazônico em que crescera, incorporando melodias folclóricas e retratando mitos e lendas da região em obras como Lenda da lua, A chuva no Pará, O saci, A Matinta e o curupira, A viola do caboclo, etc.

Salles editou algumas de suas peças ao longo da vida - como Ave Maria e Sonho de Tartini (cadência para a famosa sonata Trillo del diavolo, de Tartini), ambas para violino solo - mas principalmente deixou gravações, em antigos discos de cera e 78 rpm. Nestes registros privilegiou sua faceta de intérprete gravando obras de outros autores mais do que as próprias. (Alguns dos discos que gravou podem ser ouvidos hoje em dia na Discoteca Oneyda Alvarenga do Centro Cultural São Paulo). Sua filha Marena Salles e o musicólogo Vicente Salles têm empreendido um louvável esforço para recolocar a obra de Salles em circulação, publicando edições de diversas obras (que podem ser adquiridas pelo site da Musimed) e colocando à disposição dos pesquisadores, de forma generosa, os dados que possuem - foi com a ajuda deles, aliás, que pude obter muitas das informações que constam nesse texto.

Marena e Vicente também concluíram um livro sobre Marcos Salles, que deve ser publicado em breve, e cederam cópias de algumas de suas gravações, feitas em 1942, para que os leitores do Site CONCERTO possam ouvi-las com exclusividade (disponível em nossa seção Podcast e para download neste link). Podemos notar, nas gravações do artista, o intérprete fino e pessoal que toca Noveletas, de Arthur Iberê de Lemos, tendo o próprio compositor ao piano. E, na peça seguinte - Cascata, de autoria do próprio Salles - fica claro que a virtuosidade da escrita para o violino só pode vir de um compositor que conhece a fundo seu instrumento e tem sobre ele um perfeito domínio técnico.

Eis aí mais um nome célebre do violino brasileiro que merece ser descoberto pelos melômanos e ter suas obras estudadas pelos jovens violinistas.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Auf Wiedersehen, Sir Rattle Por Leonardo Martinelli (22/6/2018)
Com Richard Strauss, ópera segue bem em 2018 no Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (19/6/2018)
Julia Lezhneva: Triunfo barroco na Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (12/6/2018)
Movimento Violão, 15 anos de atividades eternizadas num lançamento de fôlego Por Camila Frésca (4/6/2018)
Dois elencos, duas Traviatas Por Jorge Coli (28/5/2018)
Uma grande surpresa e um grande concerto para piano Por João Marcos Coelho (25/5/2018)
Suisse Romande: Master class na Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (15/5/2018)
Um matrimônio espirituoso, vivo e musical Por Jorge Coli (8/5/2018)
“Fausto” é novo marco artístico do Festival Amazonas de Ópera Por Nelson Rubens Kunze (7/5/2018)
Clássico em terreno popular: o encantador recital de Cristian Budu na série “Tupinambach” Por Camila Frésca (3/5/2018)
Um "Faust" digno dos grandes teatros internacionais Por Jorge Coli (2/5/2018)
Cristian, Jamil e OER empolgam o Municipal lotado Por Irineu Franco Perpetuo (30/4/2018)
Verdi futurista aterrissa no Theatro Municipal do Rio Por Nelson Rubens Kunze (30/4/2018)
Ótima "Traviata" estreia em Belo Horizonte Por Nelson Rubens Kunze (27/4/2018)
A Camerata Romeu e a reinvenção da música Por João Marcos Coelho (26/4/2018)
Primeira escuta: Ronaldo Miranda estreia obra com a Osesp Por Nelson Rubens Kunze (25/4/2018)
Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Junho 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
 

 
São Paulo:

26/6/2018 - Geneva Camerata e Pieter Wispelwey - violoncelo

Rio de Janeiro:
23/6/2018 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Outras Cidades:
24/6/2018 - São José dos Campos, SP - Festival Ethno Brazil
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046