Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sábado, 29 de Abril de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
O lugar da música de concerto nos 5.570 municípios brasileiros (16/12/2015)
Por João Marcos Coelho

Os jornais divulgaram esta semana o último levantamento nacional do IBGE sobre o estado da cultura nos 5.570 municípios brasileiros. Os números são impressionantes, do lado bom e do lado ruim.

Nós, que vivemos profissionalmente ligados à música clássica, muitas vezes nos esquecemos da realidade cultural do nosso país. Menos de 600 dos municípios brasileiros têm um cinema. Isso significa menos de 11% do total. Teatro ou sala de espetáculos constituem luxo de apenas 23% dos municípios. Em compensação, 97,1% das nossas 5.570 cidades possuem biblioteca. Cem por cento? Só mesmo a TV aberta.

Tudo isso dá o que pensar. Primeiro, que o Brasil é praticamente virgem quando se pensa na música clássica, cujo alcance não deve ultrapassar os 2, no máximo 3% da população, numa estimativa superotimista.

Do que precisamos mais? De ilhas de excelência ou do chamado trabalho de base: levar a população a ao menos ter contato imediato, uma vez na vida, com a música de concerto?

A pergunta soa atraente, mas é falsa. Precisamos sim de ilhas de excelência, como comprovam a belíssima arrancada das orquestras sinfônicas em várias capitais brasileiras, espelhadas no case Osesp. Infelizmente, elas “ocupam” poucas capitais. Necessitamos, talvez de modo ainda mais urgente, de caravanas do tipo Bye Bye Brasil (ave, Cacá Diegues) que circulem de modo permanente pelo país. Os locais já existem, são as bibliotecas. Não são necessários investimentos em obras físicas (as preferidas por 10 entre 10 autoridades, municipais, estaduais ou federais). Segundo a pesquisa do IBGE, 37% dos municípios têm centros culturais. Perceberam? Quando obras entram na estória, cresce o interesse da área política pela “cultura”.


Betty Faria (ao centro) nas gravações do filme Bye Bye Brasil (1979), de Cacá Diegues [imagem: reprodução]

Esqueçam as obras. Basta baixar em cada uma das bibliotecas dos cerca de 4 mil municípios que não possuem teatro ou sala de espetáculos ou dos 4.900 que nem cinema têm. Organizar dezenas de caravanas tipo Bye Bye Brasil e ocupar o calendário dos doze meses do ano com “ocupações” – o termo está na moda, no universo artístico-cultural. E, claro, não esquecer a prima pobre, a música de concerto. Incluir sempre um grupinho de música de câmara.

Afinal, os 5.570 municípios brasileiros não precisam de mais festivais breganejos etc. e tal. Isso a TV aberta já faz.

Fico pensando que devo ser muito burro. A ideia é tão óbvia. Por que ninguém pensou nisso ainda? Ou pensaram e descartaram porque é desintere$$ante?

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

E Cristian Budu, finalmente, tocou com a Osesp! Por Irineu Franco Perpetuo (21/4/2017)
Olivier Toni Por João Marcos Coelho (20/4/2017)
“Uirapuru”, de Villa-Lobos: algumas considerações no centenário da obra Por Camila Frésca (12/4/2017)
Nasce uma estrela Por Jorge Coli (11/4/2017)
A festa do Concurso Maria Callas: competência e amor à música Por Jorge Coli (4/4/2017)
Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta “Jenufa”, de Janácek Por Nelson Rubens Kunze (4/4/2017)
“Risco” é vibrante imagem artística da cidade de São Paulo Por Jorge Coli (29/3/2017)
Quanto custa uma orquestra sinfônica? Por Nelson Rubens Kunze (28/3/2017)
De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

29/4/2017 - II SPHarpFestival

Rio de Janeiro:
29/4/2017 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
29/4/2017 - Belo Horizonte, MG - Ópera Norma, de Bellini
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046