Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 24 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Theatro São Pedro faz excelente “Albert Herring” (22/6/2016)
Por Jorge Coli

A qualidade nos espetáculos de ópera não é forçosamente baseada em dinheirama e estrelas internacionais. A ópera exige mais do que isso e, ao mesmo tempo, pode exigir menos.

A ópera requer vibração, entusiasmo, investimento sincero de quem participa. Por vezes, apresentações modestas resultam melhores, mais convincentes, do que espetáculos prestigiosos. Quantas vezes já não me perguntei, em teatros ilustres, com elencos de estrelas e concepções faustosas, o que raio estava eu fazendo ali? Rotina, tédio, bocejos.

Albert Herring no Teatro São Pedro foi o exato oposto disto. É difícil imaginar uma produção mais econômica do que aquela (por sinal, que vergonha para um estado como o de São Paulo destinar migalhas ínfimas para a ópera!).


Cena da ópera Albert Herring  [Divulgação / Heloisa Bortz]

Os cantores eram os alunos da Academia de Ópera do São Pedro. Os cenários bem reduzidos.

Mas o milagre ocorreu. Albert Herring, que nem faz parte dos espetáculos “oficiais”, da temporada do São Pedro, deve ser marcado com uma pedra branca na história daquele teatro.

Cenários enxutos, mas excelentes, na autoria de Giorgia Massetani: uma grande janela recurvada e transparente, que lembravam as do último andar do próprio teatro, criava uma rua nos fundos, e interiores na frente. Iluminação de Luciano Paes impecável. Direção cênica de Caetano Pimentel que, mesmo podendo diminuir o lado de graça sublinhada, mais apropriada ao teatro infantil, por vezes, foi de grande eficácia.

A orquestra é reduzida, e Britten a explora com humor e muita finura, exigindo precisão e ânimo. André dos Santos regeu com justeza, sem perder o entusiasmo, revelando todas as belezas de uma partitura cuja inspiração não falha.

Albert Herring é uma ópera de conjunto: todos os personagens são importantes. Fora a cena de Albert no segundo ato, que é mais longa, outros solos e duetos são relativamente breves. É preciso, portanto, homogeneidade e fusão do elenco.

No domingo, dia 19, quando assisti ao espetáculo, a distribuição foi excelente. As três crianças, em particular Bruno de Sá como Harry, eram hilariantes e ótimas no canto. Ana Beatriz Machado interpretou Miss Wordsworth, a professora: voz esplendidamente luminosa. Marcela Rahal e Miguel Egwuagu formaram harmoniosamente o simpático casal de namorados Nancy e Sid, que desencaminham o puro Herring. Se Laís Assunção tem voz adequada para Lady Billows, autócrata que encarna a repressão, a moral, o super ego da comunidade, faltou-lhe talvez um pouco da autoridade cênica necessária – sem que isso comprometesse o fluxo da apresentação. Sua pequena corte – o vigário, o prefeito, o policial, mais a professora – (Eduardo Fujita, Wesley Rocha, Anderson Barbosa), assim como a mãe de Albert (Catarina Taíra), todos atuaram e cantaram perfeitamente. O que permitiu fazer sobressair os belos conjuntos que Britten concebeu para sua ópera.

Albert Herring, mesmo que não seja a obra mais popular de Britten, é uma de suas mais inspiradas e originais. Traz um sopro de sexualidade libertária, bandeira que Britten levantava com a discrição que a época exigia. Surgiu na sua beleza, na sua graça, no seu frescor admirável no palco do São Pedro graças a esses excelentes artistas.





Jorge Coli - é professor de História da Arte e da Cultura na Unicamp e colunista da Revista CONCERTO.

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046