Uma ‘Flauta mágica’ revista à luz de nossa época

por Redação CONCERTO 09/08/2019

A Orquestra Acadêmica de São Paulo e o Coral da Cidade de São Paulo apresentam este mês uma nova produção da ópera A flauta mágica, de Mozart, no Teatro Bradesco. A obra é uma das últimas escritas pelo compositor e uma de suas mais célebres criações, tratando de temas como o iluminismo, em um contexto cênico marcado por elementos da maçonaria.

A regência é de Luciano Camargo e a direção cênica, de Rodolfo García Vázquez, da companhia teatral Os Satyros, que já assinou com a orquestra produções de Carmen, de Bizet, e Orfeu e Eurídice, de Gluck. Os cenários são de José Carlos Serroni.

Serão sete récitas, ao longo das quais se dividem diversos cantores brasileiros. Nos dias 10, 14, 16 e 18, cantam a soprano Camila Rabelo (Pamina), o tenor Jabez Lima (Tamino) e o barítono Albert Andrade (Papageno); nos dias 11, 15 e 17, atuam a soprano Elisa Braga, o tenor Daniel Soufer e o barítono Vitor Mascarenhas. Participam de todas as récitas a soprano Jéssica Leão (Rainha da Noite) e o baixo Vinicius Costa (Sarastro).

Na entrevista concedida ao Site CONCERTO, Luciano Camargo fala sobre a importância da obra e da decisão de reduzir os diálogos falados e de eliminar algumas passagens onde, segundo o maestro, “transparecem pensamentos machistas, racistas e até discretamente homofóbicos” do original.

A ópera A flauta mágica [Divulgação]
A ópera A flauta mágica [Divulgação]

Depois da Carmen, de Bizet, apresentada no ano passado, como foi a decisão de produzir agora A flauta mágica, de Mozart? 
A montagem de Carmen no Teatro Bradesco em 2018 não foi uma iniciativa isolada, mas o primeiro passo para um ambicioso projeto: estabelecer uma temporada lírica regular, acessível a um público que transcenda o público tradicional da música de concerto e da ópera. E o Teatro Bradesco é o lugar ideal para esse projeto, uma vez que se encontra dentro de um shopping, um polo de entretenimento que tradicionalmente é pautado pela indústria da cultura, que através de nosso projeto passa a sediar e oferecer para um público muito amplo concertos sinfônicos e óperas. Uma ótima acústica e uma infraestrutura maravilhosa são também as características que fazem do teatro o melhor lugar para a realização desse projeto. A produção de Carmen em 2018 nos mostrou que era possível realizar um projeto de óperas sustentável e independente, mesmo não contando com apoio governamental e nem mesmo com patrocínios privados. Nossa produção de A flauta mágica se apresenta então como o segundo passo desse desafio, que pretende mostrar para o público geral dos cinemas, shows e musicais que a ópera é uma opção não só essencialmente artística e refinada, mas também mais intensa e arrebatadora, mesmo nos dias atuais. Por isso a nossa opção, em conjunto com o diretor cênico Rodolfo García Vázquez, é fazer títulos populares com uma linguagem contemporânea, deixando certos preciosismos das produções tradicionais de ópera em favor de uma empatia maior com o público do século XXI, com a premissa de fidelidade ao texto musical e à sonoridade própria da ópera. É incrível pensar que fazer um espetáculo inteiramente acústico, no século XXI, representa uma verdadeira revolução! E os próximos passos desse projeto serão La bohème e La traviata.

Como você definiria a importância desta ópera à luz da obra de Mozart? 
A flauta mágica pode ser considerada a obra-prima de Mozart por várias razões. Nela, o compositor realiza uma síntese inigualável de seus estilos e expressões musicais de uma maneira incrivelmente significativa. Ela consegue ser, simultaneamente, uma ópera séria e uma comédia, em uma combinação incrivelmente harmoniosa – algo que parece refletir a própria personalidade do compositor. Depois de passar uma vida submetida aos desejos e censuras da corte, finalmente Mozart escreve uma ópera para uma plateia popular (o Theater auf der Wieden, em Viena), com um libreto alinhado com o seu pensamento – libertário e transgressor. Os princípios iluministas que emergem do enredo constituem um olhar para o futuro. Certamente não teria sido possível realizar, com o patrocínio da corte austríaca, uma ópera em que a vilã fosse justamente uma monarca. A flauta mágica traz justamente esta visão contraposta do povo em relação à nobreza. Portanto, uma ópera para o povo, não para a corte. A liberdade parece ter sido o ingrediente que faltava para a plena potencialidade artística de Mozart, que foi realizada aqui, em sua última ópera, uma sublimação de sua atividade criativa.

Que ideias vocês buscaram desenvolver no que diz respeito à concepção cênica?
Seguindo nossa linha de estabelecer empatia com o público, procuramos evitar o formato “singspiel” (com diálogos falados) e enfatizar a energia operística, semelhante ao que já tínhamos realizado na Carmen em 2018. Fazemos isso para preservar a energia musical inerente à opera, que se perde em grande parte quando são realizados diálogos falados mais longos, considerando ainda que a obra é cantada em alemão, idioma original. Para isso, tratamos as informações passadas nos diálogos de forma criativa na própria dramaturgia da montagem, um processo no qual nosso diretor cênico Rodolfo García Vázquez é especialista. Ou seja: a dramaturgia da cena – a expressividade dos gestos e das movimentações – mostra ao público aquelas informações que inicialmente eram transmitidas textualmente em forma de falas. Portanto, os diálogos foram reduzidos ao máximo, somente algumas poucas frases, onde estas se mostraram indispensáveis, tais como na cena da revelação de Papagena – uma cena falada indispensável ao enredo.

E como se deu o diálogo da história original com questões de nosso tempo?
Além destas questões de formato, há ainda “atualização moral” do enredo. Exatamente por ser uma ópera popular, A flauta mágica traz nítidos traços do seu momento histórico, onde transparecem pensamentos machistas, racistas e até discretamente homofóbicos. Foi uma opção de nossa montagem não enfatizar nem discutir estas questões pontualmente, de forma que tomamos a liberdade de fazer intervenções “cirúrgicas” em alguns textos cantados, especialmente nas passagens do mouro Monostatos, mas também no dueto de Sacerdotes do segundo ato. Percebemos que a mudança de uma única palavra no texto poderia resolver estas questões, preservando o espírito original (porque não nos parece “original” que o libretista Emanuel Schikaneder tenha escrito uma obra “militante” machista ou racista). A dimensão que esses temas trazem no mundo de hoje não são comparáveis ao seu contexto original. Portanto, enfatizar esses temas, mantendo suas contradições, seria justamente uma “infidelidade” à sua origem (trazer à discussão assuntos que não eram discutidos em seu tempo). Portanto, mudamos para deixar o mesmo. Mas a essência de nossa concepção cênica acaba trazendo uma resposta retumbante à questão feminista. O libreto deixa clara a “queda” da Rainha da Noite e de seu séquito no fim da ópera; resolvemos então responder à seguinte pergunta: “se a Rainha da Noite caiu, quem governa agora?”. Muitos diriam que é Sarastro. Entretanto, para nós fica claro que o plano de Sarastro, desde o início, é conduzir Pamina para o caminho da virtude e da sabedoria, justamente para que ela se torne a nova rainha, no lugar de sua mãe... e essa é nossa proposta. Esta interpretação é coerente com a transgressão representada pela ousadia de se consagrar uma mulher em ritos análogos aos da maçonaria, e ressignifica toda a ação da ópera, transformando Pamina na verdadeira heroína, deixando Tamino em um papel secundário.

Clique aqui e veja mais detalhes no Roteiro do Site CONCERTO

Leia mais
Colunistas
‘L’italiana in Algeri’, de Rossini: grande elenco, direção e regência, por Jorge Coli
Notícias Pianista Joyce Yang toca Prokofiev com a Osesp
Notícias Rio Cello Encounter completa 25 anos “fazendo milagre”, diz David Chew
Colunistas Céu, terra e mar – e muita chuva e vento, por Nelson Rubens Kunze