Notícias do mundo musical

por Redação CONCERTO 01/01/2019

Projeto Brasil em Concerto vai gravar cem obras brasileiras

Um projeto do Ministério das Relações Exteriores em parceria com a Orquestra Filarmônica de Goiás, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e a Academia Brasileira de Música vai promover a gravação e o lançamento de 30 CDs dedicados à música de compositores brasileiros. O primeiro álbum da série Brasil em Concerto será lançado em fevereiro, com a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais interpretando obras de Alberto Nepomuceno sob regência de Fabio Mechetti. Até 2023, o selo Naxos vai disponibilizar a série completa de álbuns.

Ao todo, serão gravadas cerca de cem obras sinfônicas dos compositores Alberto Nepomuceno, Carlos Gomes, Henrique Oswald, Villa-Lobos, Francisco Mignone, Lorenzo Fernandez, Camargo Guarnieri, Claudio Santoro, José Siqueira, Guerra-Peixe, Edino Krieger e Almeida Prado. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, “os discos trazem primeiras gravações mundiais ou primeiras gravações com qualidade técnica de nível internacional das obras escolhidas”. Simultaneamente aos lançamentos, serão editadas as respectivas partituras, muitas das quais inéditas até hoje. 

Entre os destaques, estão a gravação dos Choros de Camargo Guarnieri pela Osesp, com regência de Isaac Karabtchevsky, e a integral das sinfonias de Claudio Santoro pela Filarmônica de Goiás, comandada por Neil Thomson.

Na cerimônia de lançamento do projeto, realizada em novembro em Brasília, a Osesp, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e a Orquestra Filarmônica de Goiás receberam ainda a insígnia da Ordem do Rio Branco, conferida pela presidência da República e pelo Ministério das Relações Exteriores.


Orquestra Filarmônica de Minas Gerais recebe Ordem do Mérito Cultural 2018

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais recebeu a Ordem do Mérito Cultural 2018, concedida pelo Ministério da Cultura a partir de indicações de diversos setores para realizadores de trabalhos culturais importantes nas áreas de inclusão social, artes, audiovisual e educação. O grupo completou em 2018 dez anos de atividades.

“Estamos muito honrados por tudo o que está acontecendo e, ao mesmo tempo, nos preparando para as próximas décadas”, afirma o maestro Fabio Mechetti, diretor artístico da orquestra. “O reconhecimento de nosso trabalho, tanto por parte das instituições como pelo público, é um grande estímulo para seguirmos em frente, difundindo a música sinfônica e buscando sempre a melhor forma de gerir esse patrimônio de Minas Gerais”, complementa Diomar Silveira, diretor Presidente do Instituto Cultural Filarmônica, organização social responsável pela gestão da orquestra. 

Diomar Silveira, da Filarmônica, na cerimônia de condecoração [Divulgação]
Diomar Silveira, da Filarmônica, na cerimônia de condecoração [Divulgação]

Erick Venditte, de 15 anos, vence o Prelúdio 2018

O trompetista Erick Venditte, de 15 anos, venceu a edição 2018 do programa Prelúdio, da TV Cultura, idealizado e dirigido pelo maestro Júlio Medaglia. Erick já havia recebido recentemente o Prêmio Eleazar de Carvalho, principal premiação do Festival de Campos do Jordão, além de ter sido um dos vencedores do Concurso Jovens Solistas da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo.

Os outros finalistas foram a flautista Júlia Abdalla, de 10 anos de idade, o também flautista Jean Medeiros, de 25 anos, e a soprano Jessica Leão, de 27 anos. No júri estavam o diretor cênico André Heller-Lopes, o jornalista e crítico musical Irineu Franco Perpetuo, o pianista Miguel Proença e os maestros Tullio Colacioppo e Emiliano Patarra.

Nascido em Guarulhos, Venditte ingressou na Emesp Tom Jobim em 2015, onde desde então estuda sob a orientação de Adenilson Telles, Edilson Nery e Edmilson Bosco (Chiquinho). Com o prêmio pela vitória do Prelúdio, Venditte recebe uma bolsa de estudos de três anos na Academia Franz Liszt, em Budapeste, na Hungria, além de um recital na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro. 

Erick Venditte [Divulgação / Heloisa Bortz]
Erick Venditte [Divulgação / Heloisa Bortz]

Prêmio Ernani de Almeida Machado vai para clarinetista

O clarinetista Bruno da Silva Ghirardi foi o grande vencedor do 7º Prêmio Ernani de Almeida Machado, concedido anualmente pela Santa Marcelina Cultura e a Machado Meyer Advogados aos bolsistas com melhor desempenho da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo. Além de Bruno, contemplado com uma bolsa no valor de R$100 mil para estudar no exterior, também foram premiados outros quatro candidatos: Diego Adinolfi (violino), Jean Medeiros (flauta), Marina Caputo (violino) e Saulo Roberto (contrabaixo), com R$ 22 mil para cada, que devem ser destinados para estudos ou aquisição de instrumentos. Com o prêmio, Bruno pretende ingressar no mestrado em performance como solista na Academia de Música de Colônia, na Alemanha, em uma especia-lização de dois anos com o professor Ralph Manno.


Osesp faz turnê na China

Cinco anos depois de sua última turnê internacional – para a Europa, em 2013 – a Osesp entra no avião em fevereiro para uma inédita excursão à China. Sob regência de sua titular Marin Alsop, e com patrocínio da CBMM, BMA, Klabin e Vale, o grupo realizará sete concertos em cidades como Shanghai, Anshan, Pequim, Jinan e Hong Kong. A turnê será entre os dias 14 e 22 de fevereiro.

Serão realizados dois programas. No primeiro, a Osesp apresentará a Sinfonia  nº 1, Clássica de Prokofiev, o Concerto para violino nº 1 de Paganini (com participação do solista chinês Ning Feng), a Suíte Vila Rica de Camargo Guarnieri e a Suíte O cavaleiro da rosa de Richard Strauss. O segundo programa terá a abertura Candide de Bernstein, as Bachianas Brasileiras nº 4 de Villa-Lobos, as Quatro danças do balé Estancia de Ginastera e Sheherazade de Rimsky-Korsakov.

Em Hong Kong, dia 20, haverá também uma apresentação do Quarteto Osesp (formado por Emmanuele Baldini e Davi Graton nos violinos, Peter Pas na viola e Heloisa Meirelles no violoncelo), que interpretará obras de Edino Krieger (Telas sonoras), Villa-Lobos (Quarteto nº 11) e Tchaikovsky (Quarteto nº 1 op. 11).

Na Sala São Paulo, a temporada 2019 da Osesp se iniciará em março, nos dias 14, 15 e 16, com a Semana Camargo Guarnieri.

Marin Alsop [Divulgação]
Marin Alsop [Divulgação]

Ópera Lo schiavo terá estreia italiana

A ópera Lo schiavo, de Carlos Gomes, terá em fevereiro sua estreia italiana. A produção, em parceria com o Festival Amazonas de Ópera, será apresentada pelo Teatro Lírico de Cagliari, na Sardenha. A regência é do maestro Luiz Fernando Malheiro e a direção cênica ficará a cargo de Davide Garattini Raimondi.

Lo schiavo foi escrita na década de 1880, a princípio para estreia no Rio de Janeiro. Carlos Gomes, no entanto, resolveu levar a obra primeiro para a Itália, trocando o protagonista e, com isso, se desentendendo com o Visconde de Taunay, autor do libreto. O problema é que seu colaborador italiano, o libretista italiano Rodolfo Paravicini, incomodou-se com outras mudanças feitas pelo compositor no libreto e uma batalha judicial fez com que a ópera nunca fosse apresentada na Itália.

As récitas de Lo Schiavo acontecem entre os dias 22 de fevereiro e 3 de março.

Carlos Gomes [Reprodução]
Carlos Gomes [Reprodução]

São Paulo Companhia de Dança terá seis estreias em 2019

A São Paulo Companhia de Dança anunciou sua temporada de assinaturas para 2019. Ao longo do ano, iniciando em junho, serão quatro programas distintos, com seis estreias e um total de onze coreografias.

“Esta temporada tem como mote passos de dança sem fronteiras que dialogam com o tempo presente, turbulento e vivo, acelerado e intenso, de questionamentos, encontros e desencontros, e coloca em cena obras de grandes nomes da dança do Brasil e do mundo”, explica a diretora artística Inês Bogéa. “Poderemos ver distintos olhares para a realidade que nos cerca, com questões sobre barreiras, acontecimentos, expansão de fronteiras… e possibilidades do surgimento de mundos criados na confiança entre artistas que se disponham a expandir as fronteiras da nossa existência.”

O primeiro programa, entre os dias 6 e 9 de junho, terá duas estreias, dos coreógrafos Cassi Abranches e Édouard Lock. De 13 a 16 de junho, mais um novo trabalho, A morte do cisne, de Lars van Cauwnberg (inspirado em Michel Fokine), ao lado do balé Pulcinella e de Suíte para dois pianos

Entre os dias 31 de outubro e 3 de novembro, outra produção inédita: Vai, de Shamel Pitts, que será apresentada com Ngali... e Odisseia. Encerra o ano, de 7 a 10 de novembro, um novo trabalho de Goyo Montero, junto com Melhor único dia e Supernova.

As apresentações acontecem no Teatro Sérgio Cardoso. As assinaturas podem ser adquiridas até o dia 30 de abril de 2019 e os valores vão de R$ 132 a R$ 220. A compra pode ser feita pelo site www.spcd.com.br ou pelo telefone (11) 3224-1383.

São Paulo Companhia de Dança [Divulgação / Clarissa Lambert]
São Paulo Companhia de Dança [Divulgação / Clarissa Lambert]