Uma conversa com Alexandre Tharaud

por Luciana Medeiros 26/06/2019

É um jovial Alexandre Tharaud que atende o telefone e avisa que está muito feliz em tocar pela primeira vez no Rio de Janeiro – depois de duas apresentações em São Paulo, dias 25 e 26, pela temporada da Cultura Artística, ele faz um único recital na cidade nessa quinta, 27, no Theatro Municipal, na Série Dell’Arte. “Vim muitas vezes a São Paulo, mas no Rio será a primeira vez.”

O Rio de Janeiro significa bem mais para o pianista do que um ponto na turnê. “Aos 9 anos, dei meu primeiro recital em Paris e toquei Saudades do Brasil, de Darius Milhaud. Ao final, uma senhora veio me cumprimentar: era Madeleine Milhaud, viúva do compositor. E nos tornamos os melhores amigos, uma ligação que permaneceu até a morte dela.”

Além dessa estreia no embalo de Milhaud, o pianista francês ainda puxa uma lembrança mais pungente: “Aos 12 anos, decidi ser compositor ao ouvir concertos de Villa-Lobos”, conta, citando as Bachianas brasileiras como suas peças favoritas do brasileiro. “Toquei as Bachianas n° 3 há alguns anos em Barcelona, grandiosa, uma inspiração.”

No programa brasileiro, Debussy e Ravel – incluindo uma transcrição do próprio Tharaud para La Valse –, Rameau e Reynaldo Hahn. “Hahn é um venezuelano criado na França, pouco conhecido aqui, e sua peça é um tributo à música de Versailles, o que casa com Rameau. E de Debussy, toco a Hommage a Rameau. Aliás, amo o Barroco, que considero o período-base, formador, para a música pianística.” Ele gravou um disco em 2005 com transcrições para o piano das peças de Rameau. 

O pianista Alexandre Tharaud [Divulgação]
O pianista Alexandre Tharaud [Divulgação]

Fora da música francesa, a Sonata n° 31, op. 110, de Beethoven – uma das três que gravou ano passado pela Erato. “Para mim, as três ultimas sonatas são um ciclo dentro do ciclo. Foram compostas no mesmo momento, são muito modernas e repletas de invenções... e profundamente tristes, como se Beethoven enxergasse ali o seu horizonte final.”

A versatilidade de Tharaud é muito comentada – das incursões na música popular e nas trilhas de cinema à música contemporânea. “Adoro a música contemporânea e tento encomendar pelo menos uma vez a cada dois anos um concerto novo. O problema é o tempo para ensaiar: é preciso ficar 3, 4, 6 meses tocando para uma première, um trabalho muito intenso. Mas acho importante.” 

E ri quando ouve a pergunta de sempre, encerrando a entrevista: “Sim, é verdade que não tenho piano em casa. Há 20 anos, vendi meu piano para que não caísse na tentação de fazer música tempo inteiro”. Um vício? “Algo assim.”

Veja mais detalhes sobre as apresentações de Tharaud em São Paulo
Veja mais detalhes sobre as apresentações de Tharaud no Rio de Janeiro

Leia mais
Notícias:
Paulo Szot abre residência artística na Osesp
Opinião: Elina Garanca: refinamento e intensidade, por Irineu Franco Perpetuo


Conheça destaques da discografia de Alexandre Tharaud no site da Loja CLÁSSICOS