Notícias do mundo musical

por Redação CONCERTO 01/04/2019

Ospa terá ópera e turnê internacional

Orquestra Sinfônica de Porto Alegre anunciou a temporada 2019

A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Ospa, vai apresentar em sua temporada deste ano 64 concertos, com repertórios especiais e a participação de destacados artistas nacionais e internacionais. “Será um ano importante, manteremos as séries principais, ampliaremos a programação com o retorno da Série Igrejas, teremos renomados maestros e solistas e continuaremos executando ópera”, afirmou o maestro, diretor artístico e regente titular do grupo, Evandro Matté. “Procuramos sempre ampliar o repertório para atender todos os períodos da música de concerto e diferentes públicos. Há muita coisa pela frente, com uma agenda de muita qualidade e diversificação.” 

A série principal de concertos, nomeada Pablo Komlós, acontece na Casa de Música da Ospa, sede da orquestra inaugurada no ano passado. Como nas últimas temporadas, a Ospa também fará a encenação de uma ópera, Orfeu e Eurídice, de Gluck, com regência de Matté e direção cênica de William Pereira. Participam os cantores Denise de Freitas, Carla Cottini e Raquel Fortes. Além de diversas apresentações no interior do estado, em agosto a Ospa realiza uma turnê pela Colômbia e pelo Panamá.

A temporada terá participação de importantes maestros, como o britânico Neil Thomson (titular da Orquestra Filarmônica de Goiás), o italiano Alfonso Scarano (Orquestra Filarmônica da Tailândia), o alemão Stefan Geiger (Orquestra Sinfônica do Paraná), o islandês Gudni Emilson (Orquestra de Câmara de Tübingen) e o português Pedro Amaral (Orquestra Sinfônica de Lisboa), além dos brasileiros Linus Lerner, Norton Morozowicz, Tiago Flores e Manfredo Schmiedt. 
Entre os solistas destacam-se o violinista chinês Yang Liu, a harpista russa Liuba Klevtsova (Osesp), o pianista polonês Raphael Lustchevsky, o violoncelista da Alemanha Clemens Wiegel, a violinista russa Anna Markova, as pianistas brasileiras Catarina Domenici e Laura Umbelino, o violinista Daniel Guedes, a flautista Cláudia Nascimento e o pianista Angelin Loro, entre outros. O cravista Fernando Cordella realiza a sua estreia no palco da Casa de Música da Ospa com o espetáculo “Le Roi Danse – Música e Dança da Corte de Luis XIII e Luis XIV”, do qual é diretor artístico. 

A temporada também abordará um amplo repertório, com obras de compositores como Bach, Mozart, Bruckner, Stravinsky e Prokofiev até música brasileira de Camargo Guarnieri, Ronaldo Miranda, Claudio Santoro, Gilberto Salvagni e Heitor Villa-Lobos.

Orquestra Sinfônica de Porto Alegre [Divulgação / Maí Yandara]
Orquestra Sinfônica de Porto Alegre [Divulgação / Maí Yandara]

Hugo Possolo assume direção artística do Theatro Municipal de São Paulo

O ator, autor e diretor e palhaço brasileiro Hugo Possolo, de 56 anos, foi anunciado no início de março como novo diretor artístico do Theatro Municipal de São Paulo. Segundo a Secretaria Municipal da Cultura “a escolha de Possolo reflete um esforço de reconexão com a característica multicultural e popular do Theatro, representada pela Semana de Arte Moderna de 1922”. De acordo com a prefeitura, Possolo vai desenvolver o projeto “novos modernistas” e vai dirigir a ocupação artística da Praça das Artes.

Fachada do Theatro Municipal de São Paulo [Divulgação / Ricardo Kleine]
Fachada do Theatro Municipal de São Paulo [Divulgação / Ricardo Kleine]

Instituto Italiano de Cultura promove música

O Instituto Italiano de Cultura promove ao longo de 2019 uma série de música de câmara com seis concertos. A curadoria é de Paulo Ésper, e a série tem colaboração dos professores Mônica Lucas e Eduardo Monteiro, da Escola de Comunicação e Artes da USP. Todos os concertos, que acontecerão até novembro, terão um viés italiano tanto na origem dos músicos quanto no repertório selecionados para as apresentações.

A abertura da série aconteceu em março, com recital de canto que uniu a soprano Maria Sole Gallevi, o baixo Gustavo Lassen e o pianista Lucas Nogara. Em maio, a atração é um recital de violino e piano com Francesco D’Orazio e Giampaolo Nuti. A harpista Paola Baron é a atração de junho; em agosto, apresenta-se o pianista Luca Buratto; e, em setembro, o conjunto Harmoniemusik. O encerramento do ano, em novembro, será com o violinista Manfredo Kremer e o Conjunto de Música Antiga da USP.

Paola Baron [Divulgação]
Paola Baron [Divulgação]

Theatro São Pedro fará ópera de Mozart em abril

O Theatro São Pedro de São Paulo estreia a sua primeira ópera da temporada no final  de abril. O título escolhido foi La clemenza di Tito, de Mozart. A regência será do maestro alemão Felix Krieger e a encenação, iluminação e concepção espacial, do diretor Caetano Vilela. As récitas acontecem nos dias 26 e 28 de abril e 1º, 3 e 5 de maio. 

O elenco de artistas nacionais é composto pelo tenor Caio Duran (Tito), as sopranos Gabriella Pace (Vitellia) e Marly Montoni (Servilia), as mezzo sopranos Luisa Francesconi (Sesto) e Luciana Bueno (Annio) e o baixo-barítono Saulo Javan (Publio).

La clemenza di Tito foi a última ópera escrita por Mozart – sua estreia, em setembro de 1791, aconteceu poucos meses antes da morte do compositor. O libreto foi escrito por Caterino Mazzolà, poeta da corte de Dresden, a partir de um texto de Pietro Metastasio, baseado em escritos históricos. A ação ocorre na Roma do ano 79 d.C., governada pelo imperador Tito Flávio Vespasiano Augusto. A obra, por um lado, marca o retorno de Mozart ao formato da opera seria – mas com uma escrita que aponta para o futuro.

Criador do grupo Berliner Operngruppe, o maestro Felix Krieger foi assistente de Claudio Abbado na Filarmônica de Berlim e tem se apresentado em casas importantes, como a Staatsoper e a Deutsche Oper, de Berlim, a Ópera Nacional de Paris, e a Semperoper de Dresden. No Brasil, realizou uma série de concertos dedicados à música alemã em 2011 e 2012 e regeu a Camerata Aberta em diversos concertos, além de ter obras como compositor estreadas no Festival Música Nova Gilberto Mendes.

Felix Krieger [Divulgação]
Felix Krieger [Divulgação]

Concurso Maria Callas realiza nova edição

O Concurso Brasileiro de Canto Maria Callas realiza este mês a sua décima sétima edição, que conta com candidatos de diferentes países do mundo e, além das provas, oferece ao público uma série de apresentações.

Dirigido por Paulo Ésper, o concurso terá um júri formado pelo tenor americano Chris Merritt, o superintendente e diretor artístico do Teatro Comunale de Bolonha, Fúlvio Macciardi, os críticos e diretores das revistas de Milão (Sabino Lenoci) e Paris (Richard Martet) e ainda o brasileiro Carlos Rauscher, representando a Cultura Artística, apoiadora do concurso.

A abertura será no dia 7 de abril, no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, com o CoraLeste, a soprano Elayne Caser e barítono Douglas Hahn, vencedores de outras edições do concurso. Nos dias 8 e 9, o teatro recebe as provas eliminatórias; nos dias 10 e 11, acontecem a semifinal e a final, no Auditório da Secretaria Municipal de Educação de Jacareí, que abriga também o recital de premiação, no dia 12 (os vencedores se apresentam também no dia 14, no Teatro Sérgio Cardoso).

A programação do concurso inclui ainda a conferência Academia de Ópera e Profissão do Cantor Lírico, no dia 9, no Instituto Italiano de Cultura de São Paulo. E, em Jacareí, um master class de Chris Merritt, no sábado, dia 13 de abril. 

O Concurso Maria Callas foi criado em 1993 e é realizado pelo governo do estado de São Paulo, por meio da Associação Paulista dos Amigos da Arte, e pela prefeitura de Jacareí.

Maria Callas [Reprodução]
Maria Callas [Reprodução]

Série Música de CONCERTO lança CD da Orquestra Jovem do Estado

A gravação da Orquestra Jovem do Estado da Sinfonia nº 5, de Mahler, é o vigésimo título da série Música de CONCERTO, coleção de CDs que a Revista CONCERTO distribui anualmente a seus assinantes (como presente, na nova assinatura ou na renovação). O registro foi feito no ano passado pela Santa Marcelina Cultura, gestora da Emesp – Escola de Música do Estado de São Paulo, que abriga a Orquestra Jovem do Estado. E é mais um documento do nível artístico alcançado pelo grupo, sob regência do maestro Cláudio Cruz.

Como escreve Irineu Franco Perpetuo nos comentários do encarte deste CD, “quando se leva em conta o lugar privilegiado que as sinfonias de Gustav Mahler (1860-1911) ocupam no repertório das orquestras de todo o planeta, parece difícil acreditar que elas enfrentaram tamanha resistência durante a vida do compositor e regente austríaco. Na época, sua reputação se devia, sobretudo, ao trabalho de maestro, encarnado na árdua reforma e elevação dos padrões artísticos da Hofoper de Viena, a qual ele dirigiu entre 1897-1907. Mahler compunha nas breves férias de verão e, como assinalou o amigo Bruno Walter, um de seus mais destacados intérpretes, ‘enquanto o público melômano se decidiu muito rapidamente em favor do regente de orquestra, permaneceu durante muitos anos hostil ao compositor’”.

A Orquestra Jovem do Estado celebra em 2019 seus quarenta anos de existência, com uma temporada que busca, segundo a direção artística, “unir a tradição dos séculos XVIII e XIX com o repertório dos séculos XX e XXI”. Entre os destaques, estão a estreia de uma obra do compositor Rodrigo Lima e uma homenagem a Claudio Santoro.

Sinfonia nº5, de Mahler


Sinfônica de Campinas comemora noventa anos

A Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, uma das mais antigas do país e atualmente dirigida por Victor Hugo Toro, lançou sua temporada 2019

A Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas apresentou em março a sua temporada 2019, comemorativa dos noventa anos de fundação do grupo. “Queremos olhar para o passado, para tudo o que tem sido construído nestes noventa anos, e assim pensar e imaginar o que pode ser o futuro, redefinir o espaço da orquestra na sociedade atual, fazê-la cada vez mais atuante e viva”, disse o maestro Victor Hugo Toro, diretor artístico e regente titular. 

A orquestra realizará 13 programas, a serem apresentados aos sábados e domingos no Teatro Castro Mendes, “com importantes maestros e solistas convidados e grandes obras do repertorio sinfônico nacional e internacional” e homenagens a Claudio Santoro e Heitor Villa-Lobos. Em julho, o grupo toca no Festival de Inverno de Campos do Jordão. Em agosto, será repetida a parceria com o Laboratório de Piano da USP, desta vez apresentando a integral da obra para piano e orquestra de Mendelssohn e Schumann. Entre os destaques estão ainda o Concerto Fribourgeois, de Almeida Prado (com solos da pianista Sonia Rubinsky) e as Canções e danças da morte de Mussorgsky (com o baixo-barítono chileno Patricio Alvarez).

A Sinfônica de Campinas também promoverá séries de concertos didáticos, assim como programas especiais relacionados à sua história – como a lembrança dos 35 anos da participação da Sinfônica nos comícios das “Diretas já”, em 1984, que será tema de concerto de abril, no qual será apresentada também A canção da terra, de Mahler (leia mais sobre a apresentação na página 36).

“O momento é especial para a Orquestra Sinfônica de Campinas, um momento de resgate de uma história de noventa anos, que coloca a orquestra como destaque no cenário nacional”, afirmou o Secretário da Cultura Ney Carrasco. “É um momento especial também, já que a orquestra foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural como patrimônio imaterial de Campinas”, disse. 

Já o prefeito Jonas Donizette ressaltou a necessidade e o desafio de manter uma orquestra por noventa anos. “A Orquestra Sinfônica de Campinas é um símbolo que a população identifica. Ela reafirma a importância da cidade de Campinas como força regional”, declarou. 

Maestro Victor Hugo Toro e o prefeito de Campinas, Jonas Donizette [Revista CONCERTO]
Maestro Victor Hugo Toro e o prefeito de Campinas, Jonas Donizette [Revista CONCERTO]

Soprano Camila Titinger participa do Concurso BBC Cardiff Singer of the World 

A soprano brasileira Camila Titinger está entre os vinte cantores selecionados para o BBC Cardiff Singer of the World, um dos mais importantes concursos de canto do mundo, realizado a cada dois anos. As provas acontecerão entre os dias 15 e 22 de junho e terão transmissão pela internet e pelo rádio pelos canais da BBC.

Camila Titinger vive atualmente na Europa, onde já se apresentou em palcos como a Ópera de Toulon e o Théatre des Champs-Élysées, na França, e o Teatro Real de Madrid, na Espanha. Tem feito concertos ao lado do tenor Plácido Domingo em cidades como Ljubljana, Estrasburgo e Boston. No Brasil, já cantou no Theatro Municipal de São Paulo, no Theatro São Pedro e na Sala São Paulo, onde este ano estará ao lado da Osesp no encerramento da temporada, como solista da Sinfonia nº 9 de Beethoven.

O júri do BBC Cardiff Singer of the World é composto pelo diretor David Poutney, por Wasfi Kani, fundador da Grange Park Opera, e pelos cantores José Cura, Felicity Lott e Frederica von Stade. O concurso já premiou artistas como o barítono Dmitri Hvorostovsky, a soprano Karita Mattila e a mezzo soprano Jamie Barton. 
Além do prêmio principal, de 20 mil libras, mais um recital no Queen Elisabeth Hall, os jovens artistas concorrem também em outras categorias: Prêmio de canção e o Prêmio do público, dedicado a Hvorostovsky, morto em 2017. 


Theatro Municipal do Rio de Janeiro divulga agenda do primeiro semestre

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro anunciou sua programação para o primeiro semestre deste ano. Com direção artística de André Heller-Lopes e direção musical de Luiz Fernando Malheiro, a programação teve início em março com uma versão em concerto da ópera Condor, de Carlos Gomes. Em abril, o destaque é o balé As noites de Berlioz, coreografia de Thiago Soares em homenagem aos 150 anos do compositor, com regência de Carlos Prazeres, além de dois recitais: um da soprano Eliane Coelho e outro do tenor Fernando Portari, que completa 30 anos de Municipal.

A programação lírica segue, em maio, com um concerto cênico em que será interpretada a ópera Os contos de Hoffmann, de Offenbach.E, em julho, sobe ao palco a montagem de Fausto, de Gounod, apresentada no ano passado pelo Festival Amazonas de Ópera: no elenco, estão cantores como Atalla Ayan, Gabriella Pace, Giovanni Tristacci, Flavia Fernandes, Homero Perez e Homero Velho. A série Grandes Vozes no Municipal, por sua vez, trará ao Brasil cantores como os tenores Vitorio Grigolo (julho) e Michael Fabiano (agosto) e a soprano Lisette Oropesa (outubro), entre outros. 


Quadro da Revista CONCERTO na Rádio MEC FM destaca agenda clássica carioca

Com apresentação da jornalista Luciana Medeiros, correspondente da Revista CONCERTO no Rio de Janeiro, a Rádio MEC FM passa a apresentar, às sextas-feiras às 18h, uma breve reportagem sobre a agenda musical clássica carioca. Intitulado “Revista CONCERTO”, o quadro vai ao ar dentro do programa Antena MEC. Criada em 1923 pelo antropólogo Edgard Roquette-Pinto, a Rádio MEC é a mais antiga rádio do Brasil. Atualmente ela pertence à EBC – Empresa Brasil de Comunicação. A Rádio MEC possui o mais valioso acervo fonográfico da música brasileira, com registros históricos de todos os grandes artistas do século XX até a atualidade. Luciana Medeiros é uma das principais jornalistas culturais do Rio de Janeiro. Atuou como editora e repórter na Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro e no jornal O Globo. Como repórter, editora, locutora e produtora trabalhou na Rádio JB e na Rádio MEC.