Notícias do mundo musical

por Redação CONCERTO 01/12/2018

Música nas Montanhas completa 20 anos

O Festival Música nas Montanhas, criado e dirigido pelo maestro Jean Reis, completa vinte anos em 2019. A edição comemorativa será realizada entre os dias 10 e 19 de janeiro, em Poços de Caldas, Minas Gerais, ocupando espaços como o Teatro da Urca. Ao mesmo tempo, acontecerá o Encontro Nacional de Canto, com a participação de importantes professores, como o tenor Eduardo Álvares, o barítono Francisco Campos e a soprano Carol McDavit.

A lista de professores do festival inclui alguns dos principais instrumentistas em atividade no Brasil: o oboísta Ricardo Barbosa, o clarinetista Luís Afonso Montanha, o trompista Mario Rocha, os pianistas Flavio Augusto, Gilberto Tinetti e Ney Fialkow, o percussionista Carlos Tarcha, os contrabaixistas Ana Valéria Poles e Sérgio de Oliveira, o violoncelista Roberto Suetholz, os violistas Marcelo Jaffé e Renato Bandel, e os violinistas Betina Stegmann, Cármelo de los Santos, Elisa Fukuda, Nelson Rios e Pablo de León. 

O Coro Sinfônico e o Coro Melhor Idade serão preparados pela maestrina Regina Kinjo e a Orquestra Acadêmica, por André Sanches. Jean Reis estará à frente da Orquestra Sinfônica e da Classe de Regência. (Veja mais informações em Outros eventos.)

Jean Reis [Divulgação]
Jean Reis [Divulgação]

Secretaria diverge da entidade que gere Theatro Municipal de SP

O Theatro Municipal de São Paulo enfrenta uma crise por desentendimentos entre a Secretaria de Cultura e o Instituto Odeon, entidade contratada para fazer a gestão do teatro até 2021. A Secretaria acusa o Odeon de irregularidades e pretende romper o contrato; por outro lado, o Odeon afirma que a Secretaria comete ingerência na gestão e faz chantagem para forçá-lo a assinar um “distrato amigável em comum acordo”. Em gravação divulgada, o Secretário André Sturm afirma: “É evidente que eu não vou dar quitação [da prestação de contas] para vocês, antes de vocês assinarem que vocês querem sair. Por que, veja bem, e se eu der quitação para vocês, e aí aquele presidente do conselho que gosta de encrenca diz assim, ‘ah, tá, pensei melhor, não quero sair’? Como é que eu notifico vocês, se eu dei quitação para vocês? É evidente que isso não é possível. [...] Eu já conversei na Prefeitura. Se eles [Instituto Odeon] concordarem em sair por bem, é melhor para todo mundo. E o procurador-geral faz um parecer aceitando o comum acordo.”

O Instituto Odeon não aceitou o distrato amigável e divulgou uma nota dando respostas às supostas irregularidades que a Fundação Theatro Municipal aponta. Conforme o comunicado, “o Instituto Odeon responderá a todas as questões levantadas no ofício, muitas delas já elucidadas anteriormente, e seguirá com a execução do contrato”. 

Ato contínuo, a Secretaria, por meio da Fundação Theatro Municipal, deu início ao processo de distrato litigioso publicando, no Diário Oficial, uma notificação de penalidade e um chamamento público para a escolha de uma nova Organização da Sociedade Civil para a gestão do Theatro Municipal.

Theatro Municipal de São Paulo [Divulgação / Ricardo Kleine]
Theatro Municipal de São Paulo [Divulgação / Ricardo Kleine]

Mercado da ópera foi tema de debate

“O mercado da ópera no Brasil e as conexões com a América Latina: oportunidades e desafios” foi o tema de um debate dentro da programação da Mic­BR – Mercado das Indústrias Criativas do Brasil, em novembro passado. Participaram do encontro a diretora-executiva do Festival Amazonas de Ópera Flavia Furtado, o compositor, gestor e presidente da Academia Brasileira de Música João Guilherme Ripper, a diretora-executiva do Theatro Municipal de São Paulo Tatyana Rubim, e Paulina Ricciardi, coordenadora de administração do Ópera Latinoamérica. A mediação foi do diretor e editor da Revista CONCERTO Nelson Rubens Kunze. 

Em suas exposições, os participantes comprovaram que a ópera é um investimento capaz de gerar riqueza. Flavia Furtado, por exemplo, mostrou, a partir da experiência do Festival Amazonas de Ópera, que a ópera gera mais empregos que outros setores da Zona Franca, que recebem investimentos maiores. Tatyana Rubim apresentou números de engajamento das plateias para afirmar que o interesse pelo gênero existe e que, da parte dos gestores, deve haver uma tentativa de otimização de recursos para que se possa apresentar mais títulos por temporada. Já João Guilherme Ripper defendeu a importância de se levantar dados concretos sobre o mercado da ópera no Brasil e pediu maior reposição e intercâmbio de produções, uma maior regularidade de programação e ações de formação de plateia e políticas públicas de apoio à melhoria das condições de armazenamento, cadastramento e circulação de produções. 


Projeto Guri é eleito melhor ONG de 2018

A Associação Amigos do Projeto Guri, responsável pela administração de mais de 330 polos de ensino espalhados pelo estado de São Paulo, ganhou o selo de Melhor ONG de Cultura de 2018, além de entrar na lista das 100 melhores ONGs de 2018. As premiações são uma idealização do Instituto Doar e da Rede Filantropia, com o objetivo de criar espaços de visibilidade para organizações não governamentais. 


Soprano brasileira é eleita mulher inspiradora pela BBC

A soprano brasileira radicada na Europa Gabriella Di Laccio foi nomeada pela BBC uma das cem mulheres mais inspiradoras e influentes no mundo em 2018. Ela é a fundadora e curadora do projeto Donne – Women in Music, que destaca a vida e o trabalho de mulheres compositoras. “Estou profundamente honrada. Como cantora, sinto-me sempre privilegiada por trabalhar com essa arte tão rica, capaz de tocar as pessoas independentemente de gênero, posição social ou nacionalidade”, disse a soprano.


Casa da Música anuncia vencedores

Foi realizado entre os dias 20 e 21 de outubro o primeiro Concurso de Violino Casa da Música de Porto Alegre. Dividido em cinco categorias, o evento premiou músicos de diferentes estados do país. Na categoria até 8 anos, venceu Miguel Cunha Morais, do Distrito Federal; entre os músicos de 9 e 11 anos, foram premiadas Helena de Pinho Barroso M. Santos e Evelyn Leticia de Oliveira, ambas de Porto Alegre; Richard Bartikoski, de São Leopoldo (RS), ficou com o primeiro prêmio na categoria 12 a 15 anos; entre artistas de 16 a 18 anos, venceu Johann de Souza Lima, de Cuiabá (MT); e, entre 19 e 26 anos, ficou com o primeiro lugar o baiano Uiler Moreira de Souza. O júri foi composto por músicos como Arthur Barbosa, Cármelo de los Santos, Pablo de Léon e Renato Bandel. A coordenação do concurso foi de Daniel Marques e Luciana Noda e a direção artística, de Angela Diel.


Fernando Bicudo é exonerado da presidência da Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro

A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro determinou, no dia 12 de novembro, a exoneração de Fernando Bicudo do posto de presidente da Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em seu lugar, assumiu Ciro Pereira, que já ocupava o posto de chefe de gabinete.

A secretaria não forneceu justificativas para a exoneração de Bicudo. Mas, em entrevista ao Site CONCERTO, o ex-presidente alegou que passou por desentendimentos com o secretário Leandro Monteiro, que teria exigido dele a cessão do Municipal para um concerto da Banda do Corpo de Bombeiros em benefício da Legião da Boa Vontade.

“Tivemos uma reunião, com presença por viva voz de assessores. Mostrei ao secretário que a Constituição do Estado proíbe expressamente esse tipo de cessão, a não ser com autorização do própria governador. Ele insistiu, eu disse que não recebia ordens de coronel porque ali não era quartel; o Leandro se enfureceu, disse que eu era um insubordinado e me demitiu ali na hora”, disse Bicudo que, segundo matéria do jornal O Globo, integra a equipe de transição do governador eleito Wilson Witzel.

Fernando Bicudo [Divulgação]
Fernando Bicudo [Divulgação]