“O barbeiro de Sevilha” abre temporada lírica do Theatro Municipal de São Paulo

por Redação CONCERTO 22/01/2019

A ópera cômica de Gioacchino Rossini, O barbeiro de Sevilha, abre a temporada lírica do Theatro Municipal de São Paulo, partir do dia 14 de fevereiro, em 6 récitas. A direção musical e regência caberá a Roberto Minczuk, regente titular do teatro; a direção cênica será de Cleber Papa e os figurinos e cenários serão de José de Anchieta. O título já estava definido há semanas, mas, por conta do imbróglio administrativo do teatro [leia aqui], não havia sido anunciado oficialmente.

A ópera O barbeiro de Sevilha foi composta em 1816 e tem libreto de Cesare Sterbini, por sua vez inspirado na peça homônima do francês Pierre Beaumarchais. Segundo Roberto Minczuk, “a música é virtuosística e impressiona com passagens técnicas rápidas, tanto na parte dos solistas, como da orquestra. Interessante que ele utiliza os instrumentos, trompa, flauta, clarinete, de uma forma vocal e as vozes de uma maneira instrumental quando ele quer o virtuosismo, a articulação e a excitação que a história pede”.

Já o diretor cênico Cleber Papa diz que um dos diferenciais da montagem será uma nova abordagem para alguns personagens normalmente considerados secundários: “Não estamos reinventando a ópera, mas criando situações que se ajustam perfeitamente à maneira de contar a história proposta pelo compositor. Trouxe a minha versão das razões que levam o personagem Ambrogio ser tão sonolento e ampliei a presença cênica da Berta, uma criada que ganha outras dimensões no espetáculo”, afirma.

Cleber Papa convidou o diretor, cenógrafo e figurinista José de Anchieta para a produção: “Propus a ele que caminhássemos para uma abstração cenográfica que recriasse a atmosfera de Sevilha (tem até uma bandeira da Andaluzia), com seus altos e baixos, balcões e varandas, janelas grandes, etc”, diz. 

Os seguintes cantores participam do elenco: Michel de Souza e David Marcondes (Figaro), Luisa Francesconi e Luciana Bueno (Rosina), o jovem norte-americano Jack Swanson e Anibal Mancini (Conde de Almaviva), Sávio Sperandio e Saulo Javan ( Dr. Bartolo) e Carlos Eduardo Marques e Matheus França (Don Basilio). [Confira a ficha técnica completa abaixo.]

A encenação tem aproximadamente duas horas e 30 minutos. Os ingressos variam de R$ 20 a R$ 120.

Serviço:
O barbeiro de Sevilha, de Gioacchino Rossini
Dias: 14/02; 15/02; 16/02; 17/02; 19/02; 20/02 e 21/02 [terça a sábado, às 20h. Domingo, às 18h]
Local: Theatro Municipal de São Paulo | Praça Ramos de Azevedo, s/nº
Ingresso: R$ 20,00 a R$ 120,00 [venda na bilheteria e site da Ingresso da Eventim]
Classificação: Livre (sugerido para maiores de 7 anos)
Duração: 2h30 | 2 atos
 
Direção musical: Roberto Minczuk
Direção Cênica: Cleber Papa
Cenários e Figurinos: José de Anchieta
Assistência de Figurino: Emilia Reily
Regente do Coro Lírico Municipal: Mário Zaccaro
Com Orquestra Sinfônica Municipal
Coro Lírico
 
Elenco 1 [datas: 14, 16, 19, 21]
Fígaro (barítono) - Michel de Souza
Rosina (mezzo-soprano) - Luisa Francesconi
Conde de Almaviva (tenor) - Jack Swanson
Dr. Bartolo (baixo) - Sávio Sperandio
Don Basilio (baixo) - Carlos Eduardo Marcos
Fiorello (barítono) - Vítor Mascarenhas
Berta (soprano) - Débora Dibi
Sargento (baixo) - Andrey Mira
Ambrogio (ator) - Fabrizio Santos
Notário (ator) - Sergio Seixas
 
Elenco 2 [datas: 15, 17, 20]
Fígaro (barítono) - David Marcondes
Rosina (mezzo-soprano) - Luciana Bueno
Conde de Almaviva (tenor) - Anibal Mancini
Dr. Bartolo (baixo) - Saulo Javan
Don Basilio (baixo) - Matheus França
Fiorello (barítono) - Vicente Sampaio
Berta (soprano) - Denise Yamaoka
Sargento (baixo) - Andrey Mira
Ambrogio (ator) - Fabrizio Santos
Notário (ator) - Sergio Seixas

 

Theatro Municipal de São Paulo [divulgação / Rafael Salvador]
Theatro Municipal de São Paulo [divulgação / Rafael Salvador]