Osusp e Orquestra Errante se unem para interpretar Schoenberg

por Redação CONCERTO 13/08/2019

Estreada em 1917, Noite transfigurada foi escrita por Arnold Schoenberg a partir de um poema de Richard Dehmel, que reproduz o diálogo de dois amantes durante uma caminhada à luz da lua, tornando-se símbolo da sensibilidade do início do século XX: “minha obra não ilustra nem ação nem drama, mas se limita a exprimir sentimentos humanos”, dizia o compositor.

A peça será apresentada esta semana, nos dias 16 e 17, pela Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo, na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, na Cidade Universitária, sob regência de Ricardo Bologna. Mas não estará sozinha: o programa inclui também Noite desfigurada, criada pela Orquestra Errante, que participa das apresentações, a partir da obra de Schoenberg.

A Orquestra Errante é um grupo experimental ligado ao Departamento de Música da USP e ao NuSom, Núcleo de Pesquisa em Sonologia da universidade. O programa inclui também um momento no qual os dois conjuntos irão improvisar em um ambiente de criação coletiva.

Prepare-se: no seu concerto mensal na Sala São Paulo, no dia 24, a Osusp recebe dois convidados regulares: o maestro Nicolás Pasquet e o violinista Nicolas Koeckert. O programa começa com Itinerários de Curvelo, de Silvio Ferraz; em seguida, Koeckert sola o Concerto para violino de Brahms; e, para encerrar a apresentação, a Sinfonia nº 3 – Escocesa, de Mendelssohn.

Clique aqui e veja mais detalhes no Roteiro do Site CONCERTO

Leia mais
Entrevista
Compositor Rodrigo Lima fala sobre nova obra para a Orquestra Jovem do Estado
Crítica Em grande concerto, Orquestra Jovem estreia obra de Rodrigo Lima, por Nelson Rubens Kunze
Crítica Osesp e Meneses estreiam ‘Concerto’ de Marlos Nobre, por Nelson Rubens Kunze
Colunistas Sonia Rubinsky: Bach como você nunca ouviu, por Irineu Franco Perpetuo

Orquestra Errante [Divulgação]
Orquestra Errante [Divulgação]